Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.786,43
    +113,67 (+0,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.298,20
    -104,50 (-0,20%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,25
    +0,38 (+0,45%)
     
  • OURO

    1.782,80
    -2,10 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    65.875,72
    +1.798,41 (+2,81%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.538,50
    +57,70 (+3,90%)
     
  • S&P500

    4.536,19
    +16,56 (+0,37%)
     
  • DOW JONES

    35.609,34
    +152,03 (+0,43%)
     
  • FTSE

    7.223,10
    +5,57 (+0,08%)
     
  • HANG SENG

    26.136,02
    +348,81 (+1,35%)
     
  • NIKKEI

    29.255,55
    +40,03 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    15.349,00
    -28,50 (-0,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5196
    +0,0234 (+0,36%)
     

Dólar abandona queda e fecha em alta mesmo com nova atuação do BC

·2 minuto de leitura

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou em leve alta frente ao real nesta quinta-feira, depois de recuar mais cedo em reação a mais uma oferta de liquidez pelo Banco Central, com o mercado ainda avaliando a disposição da autoridade monetária de seguir ativo no mercado de câmbio.

O dólar à vista subiu 0,14%, a 5,5158 reais na venda.

A moeda oscilou de 5,4680 reais (-0,73%) a 5,5315 reais (+0,43%).

As divisas emergentes rondavam estabilidade, mesmo comportamento de um índice do dólar frente a rivais de países ricos.

A moeda brasileira pareceu sentir um posicionamento mais negativo de investidores em relação à América Latina, cujas divisas eram maioria na curta de lista de perdedoras ante o dólar na sessão.

Analistas têm destacado os impasses relacionados ao aumento global da inflação, problema que na América Latina historicamente é mais agudo. A inflação no Brasil em 12 meses já está acima de 10%; na véspera, o banco central do Chile fez um expressivo aperto monetário para conter pressões sobre os preços; e na Argentina a inflação anual já está em 52,5%.

De forma geral, a alta da inflação exige uma depreciação nominal da taxa de câmbio para que a taxa real se mantenha mais alinhada aos níveis de risco percebidos pelo mercado no momento.

Aqui, investidores seguiram tentando extrair indicações a partir dos dois leilões extraordinários de swaps cambiais tradicionais realizados pelo Banco Central desde a quarta, operações que, somadas, irrigaram o mercado com 2 bilhões de dólares.

A diretora de Assuntos Internacionais e de Gestão de Riscos Corporativos​ do Banco Central, Fernanda Guardado, afirmou nesta quinta-feira que a autoridade monetária não mudou sua forma de atuar no mercado de câmbio e que nunca mira níveis para a taxa de câmbio.

"No contexto atual, tudo leva a crer que eles deveriam ser mais atuantes. Tem problemas fiscais ainda a serem resolvidos, o risco de maior fluxo de dividendos por causa da PEC...", disse Daniel Tatsumi, gestor de moedas da ACE Capital, avaliando que as intervenções parecem inclinadas a instrumentos derivativos, uma vez que o fluxo de moeda física está positivo no ano.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos