Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.768,72
    +120,73 (+0,11%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.626,71
    -171,67 (-0,33%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,49
    +0,21 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.766,50
    -1,80 (-0,10%)
     
  • BTC-USD

    61.358,48
    +618,80 (+1,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.431,25
    -20,38 (-1,40%)
     
  • S&P500

    4.485,96
    +14,59 (+0,33%)
     
  • DOW JONES

    35.252,84
    -41,92 (-0,12%)
     
  • FTSE

    7.203,83
    -30,20 (-0,42%)
     
  • HANG SENG

    25.409,75
    +78,75 (+0,31%)
     
  • NIKKEI

    29.025,46
    +474,56 (+1,66%)
     
  • NASDAQ

    15.275,50
    +141,00 (+0,93%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3946
    -0,0092 (-0,14%)
     

Dólar à vista vai acima de R$5,54 com piora do sinal externo

·2 minuto de leitura
Dólar à vista vai acima de R$5,54 com piora do sinal externo

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar mantinha sua rota ascendente e tentava se firmar em alta nesta segunda-feira, superando 5,54 reais enquanto a moeda norte-americana ia às máximas da sessão no exterior e os mercados de ações minguavam com temores de inflação e seus impactos sobre o crescimento.

A baixa liquidez seria um fator a exasperar as oscilações. O contrato de dólar futuro mais curto negociava menos de 100 mil contratos, a caminho de fechar com o menor giro de negócios desde 6 de setembro, também véspera de um feriado.

O mercado de câmbio não abrirá na terça por causa do Dia de Nossa Senhora Aparecida.

Às 15h (de Brasília), o dólar à vista subia 0,42%, a 5,5384 reais. Na máxima, foi a 5,5404 reais (+0,45%), após cair a 5,4924 reais (-0,42%) na mínima. Na B3, o dólar ganhava 0,45%, a 5,5550 reais, também colado no pico intradiário (5,5570 reais), em torno dos maiores níveis desde abril.

Nos EUA, o feriado do Dia de Colombo mantinha paradas as negociações com títulos do Tesouro, retirando uma referência para operações nos demais mercados. Mas o índice do dólar foi de forma gradual ganhando força até operar em alta de cerca de 0,2%, nas máximas intradiárias e aproximando-se mais de picos em um ano tocados no fim de setembro.

Investidores seguiam colocando na conta riscos de o banco central dos EUA apertar a política monetária à medida que a inflação não dá sinais de abatimento. Os receios são intensificados por um imparável rali nos preços do petróleo, com o contrato norte-americano nos valores mais altos desde 2014, acima de 80 dólares o barril, no que pode ser uma verdadeira injeção de inflação na economia.

O clima de cautela externa se soma a um ambiente doméstico já ruidoso, o que acaba sustentando os prêmios de risco que fizeram o dólar cruzar a linha dos 5,50 reais e se manter acima dela.

A equipe de pesquisa macro do BTG Pactual digital elevou as projeções para a taxa de câmbio nos três cenários que considera, com a agenda política como principal ponto de atenção nos próximos meses no campo doméstico.

No cenário básico, o dólar agora deve terminar o ano em 5,30 reais, ante taxa de 5,00 reais prevista anteriormente. No cenário otimista, a moeda fica em 5,10 reais, contra 4,80 reais estimados antes. Nos cálculos mais pessimistas, o dólar fecha 2021 em 5,60 reais, de 5,40 reais do prognóstico anterior.

(Por José de Castro)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos