Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.852,23
    +1.931,62 (+1,61%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.263,25
    +328,34 (+0,67%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.833,00
    +17,30 (+0,95%)
     
  • BTC-USD

    57.804,66
    +1.747,34 (+3,12%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.493,00
    +57,22 (+3,99%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.720,75
    +123,00 (+0,90%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3572
    -0,0094 (-0,15%)
     

Dólar à vista fecha longe das máximas com atenção a reformas e commodities em alta

José de Castro
·3 minuto de leitura
Notas de cem dólares

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar à vista fechou em alta frente ao real nesta terça-feira, mas longe das máximas e com movimento mais brando aqui do que no exterior, conforme operadores evitaram grandes mudanças de posição em meio a debates sobre reformas econômicas e à CPI da Covid no Senado.

O dólar no mercado spot subiu 0,26%, a 5,4322 reais na venda, depois de oscilar entre 5,4852 reais (+1,24%) e 5,4127 reais (-0,10%). Lá fora, o dólar tinha alta de até 0,9% ante alguns dos principais pares do real.

Na B3, o dólar futuro de primeiro vencimento recuava 0,36%, a 5,4370 reais, às 17h26.

A divergência reflete um ajuste do dólar futuro, que na véspera subiu depois de no mercado à vista a taxa cair. O dólar futuro --cujos negócios vão até 18h-- reverteu as perdas e fechou a segunda-feira em alta de 0,98%. Nas operações interbancárias, que encerram às 17h, o dólar havia caído 0,24%.

De toda forma, o dia terminou com viés mais vendedor de dólares tanto no mercado spot quanto no de derivativos. Analistas esperam que o Banco Central entregue nova alta de 0,75 ponto percentual na taxa básica de juros (Selic) na quarta-feira, o que elevaria o juro para 3,50%, consideravelmente acima da taxa de 2% que vigorou até março e, assim, melhorando a relação risco/retorno de se comprar reais.

Além disso, o noticiário sobre reformas segue fazendo preço. Analistas do BTG Pactual digital consideraram as declarações do relator da reforma tributária na comissão mista do Congresso, deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), como positivas para o avanço da agenda de reformas estruturantes.

Ribeiro iniciou nesta terça-feira a leitura de seu parecer sobre a restruturação do sistema de tributos e impostos, mas uma versão final do texto só deve ser apresentada na próxima terça-feira, a partir de sugestões de parlamentares.

Em meio à CPI da Covid, na qual ações do governo são alvo de escrutínio, integrantes do Executivo têm tentado criar fatos positivos do lado da agenda de reformas.

O mercado de câmbio teve o melhor desempenho local nesta sessão, que contou com queda de 1,26% do Ibovespa e saltos de até 20 pontos-base nas taxas de DI mais longas.

"A CPI precisa ser monitorada, mas não acreditamos que haja risco material a ponto de afetar o real", disse Rafael Sales, analista econômico da Arazul Capital. "Pelos fundamentos o real está mais depreciado do que deveria, e o exterior deverá continuar favorável de forma geral, então vemos espaço para o dólar fechar o ano até abaixo de 5,20 reais", completou.

Sales lembrou ainda o benefício à taxa de câmbio decorrente do rali das commodities. O índice Refinitiv/CoreCommodity CRB chegou ao fim da tarde em alta de 0,8%, nas máximas desde junho de 2018.

A correlação de 21 dias da taxa de câmbio brasileira com esse índice subiu para 0,47, ante -0,21 em 12 de abril, indicando que o real tem acompanhado mais claramente a valorização das matérias-primas.