Mercado abrirá em 5 h 36 min
  • BOVESPA

    108.651,05
    +249,05 (+0,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.241,81
    -113,05 (-0,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    89,77
    -0,73 (-0,81%)
     
  • OURO

    1.805,80
    -6,50 (-0,36%)
     
  • BTC-USD

    22.971,66
    -917,79 (-3,84%)
     
  • CMC Crypto 200

    533,53
    -23,82 (-4,27%)
     
  • S&P500

    4.122,47
    -17,59 (-0,42%)
     
  • DOW JONES

    32.774,41
    -58,13 (-0,18%)
     
  • FTSE

    7.470,14
    -18,01 (-0,24%)
     
  • HANG SENG

    19.532,56
    -470,88 (-2,35%)
     
  • NIKKEI

    27.819,33
    -180,63 (-0,65%)
     
  • NASDAQ

    13.004,50
    -27,00 (-0,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2525
    +0,0198 (+0,38%)
     

Dólar cai a R$5,2228 e se alinha a exterior antes de dados de emprego nos EUA

Notas de dólares

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar começou a quinta-feira em alta, mas rapidamente passou a perder fôlego até virar e fechar em queda de mais de 1%, a maior em uma semana, seguindo o dia fraco para a divisa norte-americana no exterior na véspera da divulgação de importantes dados de emprego nos EUA.

O dólar à vista caiu 1,05%, a 5,2228 reais na venda, maior desvalorização desde 28 de julho (-1,66%) e quebrando uma série de quatro pregões de alta na qual acumulou ganho de 2,25%.

Ao longo do dia, a cotação variou de 5,2968 reais (+0,35%) a 5,1993 reais (-1,49%).

No exterior, o índice do dólar frente a uma cesta de moedas fortes acelerou a queda para 0,67% no fim da tarde, para perto das mínimas da sessão.

Moedas de perfil semelhante ao real, como as de México, Colômbia, Chile e África do Sul --todas correlacionadas aos preços das matérias-primas-- ganharam terreno, dando respaldo ao câmbio doméstico.

Passadas as tensões sino-americanas desta semana, o foco do mercado se volta integralmente para dados do mercado de trabalho dos EUA referentes a julho e com divulgação prevista para sexta-feira.

O Fed tem buscado desacelerar a economia de maneira suave por meio de altas de juros que causem algum abrandamento no mercado de trabalho e descompressão na pressão inflacionária. E a expectativa é que em julho a abertura líquida de vagas tenha se reduzido para 250 mil, ante 372 mil em junho.

Analistas, contudo, dizem que chegar ao equilíbrio de esfriar a economia sem levá-la à recessão é uma tarefa hercúlea.

"Existe alguma possibilidade de que o dólar possa subir mesmo se os rendimentos (dos títulos) caírem e os dados dos EUA vierem fracos caso o mercado preveja uma transição de pouso suave para pouso mais difícil que deflagre fluxos de refúgio para o dólar", disse em nota Charu Chanana, estrategista do Saxo Markets.

O real, nesse contexto, poderia ter alguma blindagem dos juros mais altos no Brasil. O Banco Central elevou a taxa Selic em 0,50 ponto percentual, para 13,75% ao ano, na véspera, mas indicou que pode ter encerrado o ciclo de aperto monetário.

"Apesar da leitura mais 'dovish' do comunicado, o real não deveria ser afetado, pois a taxa Selic já se encontra em patamar bastante elevado, favorecendo operações de carrego, apoiando um fluxo financeiro favorável e desestimulando operações de hedge cambial", disse em análise Sérgio Goldenstein, chefe da área de estratégia da corretora Renascença.

A taxa nominal de retorno de contratos a termo de taxa de câmbio dólar/real, embora em queda, ainda ostenta 12,7%, acima dos pouco mais de 10% oferecidos por contratos em pesos mexicano, colombiano e chileno.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos