Mercado fechará em 4 h 6 min
  • BOVESPA

    116.622,45
    +487,99 (+0,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.682,65
    +252,90 (+0,56%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,44
    +2,81 (+3,36%)
     
  • OURO

    1.735,40
    +33,40 (+1,96%)
     
  • BTC-USD

    20.074,19
    +698,01 (+3,60%)
     
  • CMC Crypto 200

    455,65
    +10,21 (+2,29%)
     
  • S&P500

    3.780,36
    +101,93 (+2,77%)
     
  • DOW JONES

    30.229,63
    +738,74 (+2,50%)
     
  • FTSE

    7.086,46
    +177,70 (+2,57%)
     
  • HANG SENG

    17.079,51
    -143,32 (-0,83%)
     
  • NIKKEI

    26.992,21
    +776,42 (+2,96%)
     
  • NASDAQ

    11.640,50
    +354,75 (+3,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1427
    +0,0688 (+1,36%)
     

Dólar cai mais de 1%, vai abaixo de R$5,15 e fecha semana no vermelho com apetite global por risco

Notas de cinco dólares

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) -O dólar fechou em queda de mais de 1% ante o real nesta sexta-feira, pressionado por melhora no apetite por risco internacional e alta nos preços de commodities importantes, num movimento que ajudou a moeda brasileira a encerrar a semana com ganhos, apesar do rali registrado pelo dólar na véspera do feriado de 7 de Setembro.

A moeda norte-americana à vista caiu 1,16%, a 5,1462 reais, acumulando baixa de 0,78% em relação ao fechamento da última sexta-feira, com as perdas das últimas duas sessões (incluindo esta) e de segunda-feira compensando o salto de 1,67% visto na terça. Não houve negociações nos mercados brasileiros na quarta devido ao Bicentenário da Independência.

A divisa norte-americana terminou este pregão no menor valor desde 30 de agosto (5,1120 reais) e teve a maior queda percentual diária desde 23 de agosto (-1,26%).

Na B3, às 17:10 (de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento caía 1,32%, a 5,1775 reais.

As negociações locais foram influenciadas pelo ambiente internacional ameno, com o dólar perdendo força de maneira generalizada --seu índice frente a pares fortes caía 0,5% nesta tarde-- e as ações ganhando amplo terreno [.NPT] [.EUPT].

Por trás desse movimento, "destaco a China", disse à Reuters Lucas Serra, analista da Toro Investimentos, citando desaceleração em dados de inflação da segunda maior economia do mundo, divulgados na noite de quinta (horário de Brasília).

Com o arrefecimento nas pressões de preços, "foram abertas possibilidades para que a China injete mais dinheiro na economia para fomentar o crescimento", avaliou Serra.

"Essa expectativa de maior crescimento chinês, em parte por esses estímulos, acaba favorecendo investimentos em ativos de risco", como moedas de países emergentes, cesta que inclui o real, acrescentou ele.

Os preços de produtos como minério de ferro e petróleo, expostos à segunda maior economia do mundo, dispararam nesta sexta-feira. Várias moedas sensíveis às commodities --como peso colombiano, rand sul-africano e dólar australiano, importantes pares do real-- tiveram ganhos acentuados no dia.

Serra também atribuiu parte do apetite por risco internacional a "movimento corretivo" na esteira de falas mais duras de autoridades do banco central norte-americano, o Federal Reserve, que reforçou nesta semana seu compromisso com o combate à inflação, alimentando apostas em um terceiro aumento consecutivo de 0,75 ponto percentual nos juros pela instituição.

O Fed está prestes a entrar em período de silêncio antes de sua reunião de política monetária de 20 e 21 de setembro, e na próxima semana serão divulgados dados da inflação norte-americana que podem lançar luz sobre os passos seguintes do banco central dos EUA, disseram participantes do mercado.

Qualquer surpresa para cima nos preços ao consumidor poderá beneficiar o dólar, que recentemente foi a máximas em 20 anos no exterior.

O Santander disse em revisão de cenário nesta sexta-feira que uma piora nas condições financeiras globais e incertezas quanto ao futuro da política econômica brasileira deverão elevar o piso da flutuação recente do dólar, que tem ficado numa faixa entre 5,00 e pouco mais de 5,50 reais desde meados de julho. Mesmo assim, o banco manteve projeção de que a taxa de câmbio encerrará este ano em 5,30 por dólar.

Enquanto isso, o IBGE informou pela manhã que o IPCA registrou queda de 0,36% em agosto, que levou o índice acumulado em 12 meses abaixo dos dois dígitos pela primeira vez em um ano.

Alguns participantes do mercado comemoraram o melhor resultado para agosto desde 1998, mas outros se mostraram insatisfeitos com um qualitativo não muito bom, já que houve alta na difusão da inflação.

(Edição de José de Castro)