Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.953,90
    +411,95 (+0,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.743,15
    +218,70 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    108,46
    +2,70 (+2,55%)
     
  • OURO

    1.812,90
    +5,60 (+0,31%)
     
  • BTC-USD

    19.249,71
    +61,22 (+0,32%)
     
  • CMC Crypto 200

    420,84
    +0,70 (+0,17%)
     
  • S&P500

    3.825,33
    +39,95 (+1,06%)
     
  • DOW JONES

    31.097,26
    +321,83 (+1,05%)
     
  • FTSE

    7.168,65
    -0,63 (-0,01%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,10 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    25.935,62
    -457,42 (-1,73%)
     
  • NASDAQ

    11.610,50
    +81,00 (+0,70%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5587
    +0,0531 (+0,96%)
     

Dólar salta 1,1% e supera R$4,80 em atribulado começo de mês

Notas de cem dólares

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - Uma nova rodada de fortalecimento global do dólar pegou em cheio o mercado de câmbio brasileiro nesta quarta-feira, e a moeda norte-americana fechou em alta de mais de 1%, acima de 4,80 reais, num começo de junho nada auspicioso para divisas emergentes em meio a renovados temores inflacionários e de juros mais altos pelo mundo.

O dólar à vista subiu 1,10%, a 4,8065 reais. É o maior patamar em uma semana e a mais forte valorização diária desde 9 de maio (+1,62%).

A cotação firmou alta na parte da tarde, quando o sentimento de risco global piorou, mas pela manhã chegou a marcar queda de 0,66%, a 4,7227 reais. Nas operações vespertinas, chegou a saltar 1,29%, a 4,8154 reais.

O real amargou o terceiro pior desempenho entre as principais moedas globais nesta sessão, melhor apenas que rublo russo e iene japonês. O dólar ganhou terreno frente a 29 pares de uma lista de 33, e uma medida das oscilações da moeda caminhava para a maior alta diária em quase um mês, após dados fortes nos EUA alimentarem novamente apostas de elevação mais intensa dos juros norte-americanos.

Os ruídos em Brasília --que vão desde demanda por aumentos salariais por parte de servidores públicos, pressões cada vez maiores por medidas para intervir nos preços dos combustíveis, tensões entre centrão e Ministério da Economia e as manchetes eleitorais-- deram ainda menos motivos para qualquer venda de dólar.

Diretamente afetada por especulações sobre mudanças forçadas em sua política de preços, Petrobras voltou a cair nesta quarta-feira e acumula queda de quase 8% em suas ações preferenciais desde as máximas alcançadas horas antes do anúncio da mais recente troca do presidente da estatal, ocorrida em 23 de maio.

Em relatório, Claudio Irigoyen e Christian Gonzalez Rojas, do Bank of America, disseram que o real está próximo do patamar justo sugerido por elementos macro e deve superar pares regionais no curto prazo, mas ponderaram que a moeda pode sofrer com efeitos negativos de um aumento de prêmio de risco decorrente da combinação entre as eleições de outubro e o fim do ciclo de aperto monetário pelo Banco Central.

A visão mais desconfiada acerca do real faz parte de um entendimento mais amplo em relação às moedas latino-americanas, para as quais os profissionais mantêm viés "cauteloso" apesar de taxas de câmbio em níveis "historicamente baratos".

"Nosso melhor conselho para investidores é não cair na armadilha de valor da América Latina", afirmaram. "A incerteza política é ampla, os fundamentos institucionais continuarão enfraquecendo e o crescimento continuará ficando para trás em relação a outras regiões, o que sugere que o prêmio de risco deve permanecer alto por mais tempo. Além disso, o cenário global que nossos economistas e estrategistas preveem para o restante de 2022 não é um bom presságio para as moedas latino-americanas", finalizaram.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos