Mercado abrirá em 2 h 21 min
  • BOVESPA

    113.430,54
    +1.157,53 (+1,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.564,27
    +42,84 (+0,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,02
    +0,15 (+0,19%)
     
  • OURO

    1.939,70
    -5,60 (-0,29%)
     
  • BTC-USD

    23.019,51
    +107,35 (+0,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    524,33
    +5,54 (+1,07%)
     
  • S&P500

    4.076,60
    +58,83 (+1,46%)
     
  • DOW JONES

    34.086,04
    +368,95 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.783,33
    +11,63 (+0,15%)
     
  • HANG SENG

    22.072,18
    +229,85 (+1,05%)
     
  • NIKKEI

    27.346,88
    +19,77 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.130,00
    -22,00 (-0,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5279
    +0,0123 (+0,22%)
     

Dólar à vista fecha em queda de 0,63%, a R$5,2555 na venda

BRASÍLIA (Reuters) -O dólar desvalorizou frente ao real nesta quarta-feira, depois de duas sessões consecutivas de alta, em movimentos pautados por articulações do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva para a montagem do seu ministério, de dados do Caged mais fracos e, no cenário internacional, da flexibilização das restrições sanitárias contra a Covid-19 na China.

No mercado à vista, o dólar recuou 0,63%, a 5,2555 reais na venda.

Em um dia de baixa liquidez no mercado, como é comum no fim do ano, o movimento do dólar acompanhou o exterior, mas também foi, segundo Evandro Caciano dos Santos, chefe de câmbio da Trace Finance, resultado do "fator Ptax", que será fechada na quinta-feira.

"Estávamos há dois pregões seguidos de alta e o que acontece é que é a proximidade da Ptax leva a uma briga constante no mercado por ajustes de posição. Então acontece uma guerra entre compradores e comprados da moeda estrangeira, porque muitos contratos são delineados por esse dólar médio da Ptax do mês. Então, de olho nesse ajuste, esse fator foi o grande decisor nessa queda de hoje".

O anúncio do restante dos nomes que irão chefiar as pastas do futuro governo está prevista para quinta-feira e a expectativa é de que entre eles esteja a senadora Simone Tebet (MDB), que deve ficar a cargo do Ministério do Planejamento.

"Fernando Haddad disse que é bom ter ideias divergentes para governar melhor. E eu entendo que o mercado enxerga assim também. Por isso, a senadora é extremamente bem recebida. Ela era, dos candidatos, a aposta favorita do mercado. Então ela fazer parte do governo dá um efeito positivo", explica Gustavo Cruz, estrategista chefe da RB Investimentos.

O mercado também acompanhou dados de emprego, com Brasil abrindo 135.495 vagas formais em novembro, de acordo com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgado nesta quarta pelo Ministério do Trabalho e Previdência, saldo menor que o esperado.

"O Caged mostra que muita gente que está fora do mercado de trabalho aceita entrar para ganhar menos. Isso, obviamente, não é bom e sugere um consumo ainda mais apertado em 2023. O indicador frustrou um pouco a expectativa, mas seguiu o ritmo de contratações. É um saldo positivo, mas parece que o ritmo muito positivo já ficou um pouco para trás", diz Cruz.

No mercado internacional, a apreensão em relação aos efeitos da abrupta abertura da política sanitária chinesa se contrapõe ao otimismo com as perspectivas de crescimento da economia do país. Segundo especialistas de saúde internacionais, o vírus está se espalhando sem controle, o que pode impor um risco à atividade econômica.

(Por Victor Borges; edição de Isabel Versiani e Bernardo Caram)