Mercado fechará em 2 h 15 min
  • BOVESPA

    106.922,13
    +674,98 (+0,64%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.895,21
    +501,18 (+0,99%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,81
    +1,22 (+1,11%)
     
  • OURO

    1.838,90
    +23,00 (+1,27%)
     
  • BTC-USD

    30.095,62
    +987,32 (+3,39%)
     
  • CMC Crypto 200

    669,84
    +17,61 (+2,70%)
     
  • S&P500

    3.906,71
    -16,97 (-0,43%)
     
  • DOW JONES

    31.279,47
    -210,60 (-0,67%)
     
  • FTSE

    7.302,74
    -135,35 (-1,82%)
     
  • HANG SENG

    20.120,68
    -523,62 (-2,54%)
     
  • NIKKEI

    26.402,84
    -508,36 (-1,89%)
     
  • NASDAQ

    11.896,50
    -39,00 (-0,33%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1747
    -0,0436 (-0,84%)
     

Dólar emenda 3ª alta e fecha perto de R$5 após intervenção do BC; volatilidade dispara

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·3 min de leitura
Funcionária de banco conta notas de 100 dólares em Hanói, Vietnã
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - A terça-feira ficou marcada pelo retorno do dólar ao patamar de 5 reais, em mais uma sessão de fortes ganhos da moeda norte-americana que exigiram nova intervenção do Banco Central, o que ajudou a aplacar a alta e levar a moeda a 4,9899 reais no fechamento.

A percepção de incerteza sobre a taxa de câmbio disparou. Uma medida de volatilidade implícita para um mês saltou a 20,64%, maior valor desde março de 2021.

O exterior tem ditado a escalada das cotações --o dólar saltou mais uma vez nesta sessão e renovou picos em dois anos contra uma cesta de moedas--, mas operadores citam ainda percepção de parada de fluxo ao Brasil, com exportadores e empresas de forma geral preferindo deixar recursos lá fora de olho no aumento dos juros nos EUA e na perspectiva forte para o dólar em termos globais.

A aproximação do fim do mês, com suas típicas rolagens de derivativos que adicionam volatilidade aos negócios, e remessas de grandes volumes (citados como atípicos) por empresas também são fatores comentados nas mesas de operação.

O dólar à vista saltou 2,32% nesta terça-feira e terminou no maior valor desde 18 de março (5,017 reais), última vez que encerrou acima de 5 reais.

Na máxima, foi a 5,0003 reais, valorização intradiária de 2,53%. Na mínima, ficou praticamente estável, com variação positiva de 0,05%, a 4,8794 reais.

O dólar marcou três sessões de alta nas quais acumulou valorização de 8,04%. O real, de longe, é a moeda com pior desempenho no período.

Num presságio de mais altas, a cotação fechou acima de sua média móvel de 50 dias --uma resistência técnica-- pela primeira vez desde janeiro. Mas segue a alguma distância das médias de 100 e 200 dias, em torno de 5,24 reais e 5,30 reais, respectivamente.

O dólar operou em curva ascendente desde o começo do pregão, mas depois das 11h (de Brasília) acelerou o ritmo, até que às 11h45 alcançou o pico do dia. No mesmo minuto o Banco Central anunciou oferta líquida de 500 milhões de dólares em swap cambial tradicional. Considerando operações de swap anunciadas no meio do pregão, a desta terça foi a primeira desde outubro do ano passado.

O BC já havia atuado na sexta-feira, mas com venda de 571 milhões de dólares no mercado à vista de câmbio, dia em que o dólar chegou a subir 4,78% na máxima.

Alguns analistas chamaram atenção para o fato de o Bacen ter atuado com o dólar a 5 reais nesta terça e lembraram que o cenário de referência do colegiado do Banco Central que decide os juros (Copom) considera taxa de câmbio partindo de 5,052 reais por dólar.

O Copom se reúne na próxima semana para deliberar sobre a Selic. No mesmo dia do anúncio da decisão, quarta-feira, o BC dos EUA também informará um provável novo aumento nas taxas norte-americanas e em ritmo possivelmente mais forte que o de costume.

"Vemos o real revertendo parte dos ganhos nos próximos meses", disse em nota Bertrand Delgado, estrategista do Société Générale. "Condições financeiras e de liquidez mais apertadas juntamente com riscos geopolíticos em curso e o risco crescente de crescimento global mais brando provavelmente prejudicarão o real", completou.

O Société estima dólar de 5,15 reais ao fim do segundo trimestre e de 5,45 no término do ano --altas de 3,2% e 9,2%, respectivamente, em relação ao fechamento desta terça.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos