Mercado fechará em 4 h 45 min
  • BOVESPA

    106.857,11
    +494,01 (+0,46%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.473,14
    -241,46 (-0,47%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,33
    -0,33 (-0,40%)
     
  • OURO

    1.805,20
    +6,40 (+0,36%)
     
  • BTC-USD

    61.492,56
    +2.517,93 (+4,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,28
    +60,90 (+4,29%)
     
  • S&P500

    4.577,80
    +26,12 (+0,57%)
     
  • DOW JONES

    35.641,00
    +150,31 (+0,42%)
     
  • FTSE

    7.236,13
    -17,14 (-0,24%)
     
  • HANG SENG

    25.555,73
    -73,01 (-0,28%)
     
  • NIKKEI

    28.820,09
    -278,15 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    15.673,50
    +86,25 (+0,55%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5471
    +0,1224 (+1,91%)
     

Dólar à vista fecha em alta de 0,42%, a R$5,5384

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar começou a semana em alta e renovando máximas em quase seis meses, firmemente acima de 5,50 reais, conforme o clima mais arisco no exterior respaldou compras defensivas antes do feriado que fechará os mercados financeiros no Brasil na terça-feira.

O dólar à vista subiu 0,42% nesta segunda-feira, a 5,5384 reais. É o maior valor para um encerramento desde 20 de abril passado, quando a moeda fechou a 5,5486 reais.

O dólar terminou bem perto da máxima do dia, de 5,5404 reais (+0,45%). Na mínima, atingida ainda pela manhã, a cotação desceu a 5,4924 reais (-0,42%).

Na B3, o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento chegou a 5,5570 reais na máxima, antes de arrefecer os ganhos para 0,42%, a 5,5535 reais, às 17h07 (de Brasília).

Lá fora, o índice do dólar frente a uma cesta de rivais ganhava 0,24%, saltando às máximas da sessão e se aproximando de picos em um ano vistos no fim de setembro.

(Por José de Castro)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos