Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,91 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,62 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    +2,79 (+2,68%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    21.216,46
    +175,53 (+0,83%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,32 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,19 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,72 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    +395,25 (+3,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5524
    +0,0407 (+0,74%)
     

Dólar salta mais de 2% e engata 3° ganho semanal com temores sobre Fed

Cédulas e moedas de dólares dos EUA em cofre em um banco em Westminster, Colorado, EUA

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) -O dólar avançou mais de 2% frente ao real nesta sexta-feira, marcando uma terceira valorização semanal consecutiva com impulso da recente decisão do Federal Reserve de subir os juros dos Estados Unidos no ritmo mais intenso desde 1994, conduta que, além de tornar a moeda norte-americana globalmente mais atraente, elevou temores de uma recessão na maior economia do mundo, minando o apetite de investidores por risco.

A moeda norte-americana à vista saltou 2,35%, a 5,1460 reais, máxima para encerramento desde 9 de maio passado (5,1554 reais), o que configurou seu oitavo ganho diário em nove pregões. A valorização percentual desta sexta foi a mais intensa desde a alta de 2,46% registrada na segunda-feira, que, por sua vez, foi a maior desde 2 de maio (+2,58%).

Na semana, encurtada pelo feriado de Corpus Christi na quinta-feira, o dólar avançou 3,14%, com os fortes ganhos de segunda e sexta mais que compensando a queda de 2,07% de quarta.

Na B3, às 17:22 (de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento subia 1,71% no dia, a 5,1650 reais.

A política monetária foi o grande tema desta semana, com vários bancos centrais realizando reuniões que, no geral, explicitaram a maior urgência das autoridades monetárias para conter as persistentes pressões de preços que, apenas alguns meses atrás, muitos pensavam ser temporárias.

Nos EUA, o Federal Reserve elevou sua taxa básica de juros em 0,75 ponto percentual na quarta-feira, aumento bem mais agressivo que o anteriormente esperado pelos mercados e que seguiu ajustes de 0,25 ponto em março e 0,50 ponto em maio.

Temores de que um eventual ambiente monetário restritivo nos EUA se some a desafios exógenos --como a guerra na Ucrânia e medidas de combate à Covid-19 na China-- e provoque uma recessão levaram a uma onda de mau humor nos mercados globais na véspera.

"Ontem foi um dia bem ruim para ativos arriscados, e os mercados estavam fechados aqui por conta do feriado", disse à Reuters Luciano Rostagno, estrategista-chefe do Banco Mizuho. "O real está fazendo o 'catch up' (ajuste), incorporando a dinâmica ruim do mercado e os temores de recessão (nos EUA) no preço."

O comportamento do mercado de câmbio local também refletiu o salto de mais de 0,7% do índice do dólar contra uma cesta de rivais fortes nesta tarde. A moeda norte-americana ainda tinha firmes ganhos contra alguns pares do real, como dólar australiano (+1,5%) e peso chileno (+1,1%).

"Os rendimentos globais crescentes... permanecem como fator negativo para o apetite por risco e para fluxos de capital a mercados emergentes sensíveis ao crescimento", disse o Bank of America em relatório desta sexta-feira sobre o mercado global de câmbio.

"Rendimentos reais mais altos e volatilidade de dados fundamentais também estariam associados a maior volatilidade nos mercados, o que reduz o apelo do 'carry' (retorno)" de moedas de países emergentes, avaliou o banco norte-americano.

Rostagno, do Mizuho, diz perceber movimentos nesse sentido no Brasil. "A taxa Selic elevada ajuda a aumentar a atratividade do real pra operações de 'carry', que buscam explorar diferencial de juros entre os países, mas esse efeito é limitado nesses momentos de maior aversão a risco global, porque aí investidores tiram recursos de países emergentes."

Os juros nominais básicos brasileiros estão em 13,25% ao ano, depois que o Banco Central elevou a Selic, na última quarta-feira, em 0,50 ponto percentual, em linha com as expectativas do mercado. A autarquia sinalizou novo ajuste nos custos dos empréstimos, de igual ou menor magnitude, na reunião de política monetária de agosto.

Com o desempenho desta sexta-feira --que alguns participantes do mercado também relacionaram ao tombo do Ibovespa, que fechou abaixo dos 100 mil pontos pela primeira vez desde novembro de 2020--, o dólar à vista reduziu as perdas acumuladas em 2022 para 7,67%, ficando 11,69% acima da mínima de encerramento neste ano, de 4,6075 reais, atingida no início de abril.

Rostagno espera que o ambiente externo arisco mantenha o dólar acima da marca psicológica de 5 reais ao longo da segunda metade deste ano, que também trará como desafio as eleições presidenciais brasileiras.

(Edição de José de Castro)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos