Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.676,52
    -1.392,02 (-1,28%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.065,91
    +339,95 (+0,67%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,02
    +0,01 (+0,01%)
     
  • OURO

    1.801,70
    +3,70 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    17.252,15
    +456,81 (+2,72%)
     
  • CMC Crypto 200

    406,52
    +11,83 (+3,00%)
     
  • S&P500

    3.958,45
    +24,53 (+0,62%)
     
  • DOW JONES

    33.751,46
    +153,54 (+0,46%)
     
  • FTSE

    7.472,17
    -17,02 (-0,23%)
     
  • HANG SENG

    19.450,23
    +635,41 (+3,38%)
     
  • NIKKEI

    27.574,43
    -111,97 (-0,40%)
     
  • NASDAQ

    11.654,50
    +145,00 (+1,26%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5024
    +0,0360 (+0,66%)
     

Dólar tem maior tombo diário em mais de 4 anos ante real após 1° turno das eleições

Notas de reais e dólares

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar desabou 4% e marcou sua maior baixa percentual diária em mais de quatro anos nesta segunda-feira, depois que um resultado mais apertado do que o esperado no primeiro turno das eleições presidenciais melhorou a perspectiva de investidores sobre a agenda econômica e fiscal do próximo governo do país.

A moeda norte-americana à vista despencou 4,02%, a 5,1770 reais, em sua maior queda percentual diária desde o recuo de 5,6% visto em 8 de junho de 2018. Na ocasião, a divisa norte-americana foi abatida por intervenção do Banco Central no câmbio e teve seu tombo mais expressivo desde outubro de 2008.

Na B3, às 17:20 (de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento caía 4,20%, a 5,2020 reais.

No menor patamar da sessão, o dólar caiu 4,46%, a 5,1537 reais, nível que não era visto desde o último dia 22.

Com o desempenho desta segunda-feira, o dólar aprofundou suas perdas no ano para mais de 7%. Até sexta-feira passada, a moeda acumulava baixa de apenas 3,2%.

O desabamento da divisa norte-americana foi acompanhado de disparada de mais de 5% do Ibovespa e forte queda dos juros futuros, em performance que fez dos ativos brasileiros destaque positivo no mundo. O real ostentou durante todo o pregão a posição de divisa com o melhor desempenho entre uma cesta de pares globais do dólar.

Guilherme Esquelbek, analista da Correparti Corretora, citou amplo movimento de desmonte de posições defensivas depois que o presidente e candidato à reeleição Jair Bolsonaro (PL) teve um desempenho acima do estimado pelas principais pesquisas de opinião no primeiro turno de domingo. Agora, ele e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) disputarão uma tensa segunda rodada.

Além disso, vários candidatos declaradamente bolsonaristas conquistaram cadeiras no Senado, enquanto, na Câmara dos Deputados, o PL, partido do atual presidente da República, consolidou a posição de maior bancada da Casa.

Os mercados entenderam esse resultado como um forte obstáculo à governabilidade de eventual administração de Lula --um alento para investidores temerosos sobre a promessa de campanha do petista de abandonar a regra do teto de gastos caso seja eleito.

Apesar da reação positiva dos ativos brasileiros, o resultado do primeiro turno é prenúncio de uma segunda rodada disputada e deixou "claro que o próximo governo continuará a lidar com um Congresso muito fragmentado para avançar com uma agenda de reformas das políticas públicas", disse em nota a vice-presidente e analista sênior da Moody's, Samar Maziad.

Com o mercado doméstico focado em digerir o resultado do primeiro turno eleitoral, o comportamento do mercado externo ficava em segundo plano, mas ainda jogou a favor da queda da moeda norte-americana por aqui.

O índice do dólar frente a uma cesta de pares fortes caía 0,5% nesta manhã, com investidores ainda monitorando as sinalizações de política monetária dos principais bancos centrais e reagindo positivamente à reversão de um polêmico plano fiscal no Reino Unido.