Mercado fechará em 2 h 9 min
  • BOVESPA

    108.639,89
    +810,16 (+0,75%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.880,82
    -454,69 (-0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,26
    +0,12 (+0,16%)
     
  • OURO

    1.885,10
    +0,30 (+0,02%)
     
  • BTC-USD

    22.872,17
    -121,49 (-0,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    526,93
    -9,97 (-1,86%)
     
  • S&P500

    4.119,99
    -44,01 (-1,06%)
     
  • DOW JONES

    33.951,04
    -205,65 (-0,60%)
     
  • FTSE

    7.885,17
    +20,46 (+0,26%)
     
  • HANG SENG

    21.283,52
    -15,18 (-0,07%)
     
  • NIKKEI

    27.606,46
    -79,01 (-0,29%)
     
  • NASDAQ

    12.529,00
    -247,75 (-1,94%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5941
    +0,0170 (+0,30%)
     

Dólar tomba a R$5,3527 com ajuste e acenos do governo Lula, na contramão do exterior

Pessoa mostra notas de dólares em casa de câmbio em Peshawar, no Paquistão

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar teve forte queda frente ao real nesta quinta-feira, na contramão do exterior, conforme investidores continuaram ajustando posições na esteira de disparada da moeda no início da semana, reverberando ainda acenos do novo governo à manutenção de reformas e outras medidas de gestões anteriores.

No mercado à vista, o dólar tombou 1,81%, a 5,3527 reais, na maior desvalorização percentual diária desde 20 de dezembro (-1,97%).

"Os mercados seguem dando ao governo o benefício da dúvida. A operação abafa deu algum resultado. Hoje descolamos para o bem em bolsa e câmbio em relação ao mundo", disse em publicação no Twitter Sergio Machado, sócio da NCH Capital.

Seus comentários fizeram referência a uma série de declarações de ministros de Lula nos últimos dias, que investidores interpretaram como acenos com a intenção de acalmar os mercados, depois que o real e o Ibovespa foram derrubados acentuadamente nos primeiros dois dias do novo governo.

O ministro da Casa Civil, Rui Costa, por exemplo, disse na terça-feira não haver nenhuma proposta sendo pensada nesse momento para revisão de reformas, incluindo a da Previdência. Com a declaração, Costa desautorizou o novo ministro da Previdência Social, Carlos Lupi, que havia feito críticas à reforma da Previdência do governo Jair Bolsonaro no início da semana, sinalizando que parte das mudanças poderiam ser revistas, o que havia azedado o humor dos investidores.

Já o senador Jean Paul Prates (PT-RN), indicado pelo novo governo para comandar a Petrobras, disse que não haverá intervenção nos preços dos combustíveis, o que tem impulsionado as ações da estatal.

Investidores também atribuíram o tombo do dólar nesta quinta-feira a questões técnicas, depois de a moeda ter saltado mais de 3% no acumulado das duas primeiras sessões da semana, para acima de 5,45 reais. Na véspera, a divisa norte-americana já havia interrompido o rali recente ao fechar com variação negativa de 0,04%.

"A queda de hoje está muito pautada num dia sem muitas notícias da parte fiscal e da parte política, igual a gente viu no início da semana. E, como o dólar já estava num preço alto, ali na casa dos 5,45, é natural que a gente tenha essa correção", disse Lucca Ramos Almeida, sócio da One Investimentos.

"O que a gente tem que observar é se esse movimento vai ser contínuo, à medida que a gente for tendo mais notícias da parte política, perante as questões fiscais que a gente tem atualmente", completou ele.

Almeida destacou a PEC da Transição, que permite amplos gastos com o financiamento do Bolsa Família neste ano, como a maior preocupação do mercado neste momento, já que investidores temem que um governo muito dispendioso eleve os custos da dívida e exija a manutenção dos juros em patamar elevado por mais tempo, o que prejudicaria a atividade econômica.

Ele também apontou o cenário externo como um possível obstáculo à uma recuperação adicional do real, conforme o banco central norte-americano segue aumentando sua taxa de juros.

Dados desta quinta-feira trazendo novas evidências de um mercado de trabalho forte nos Estados Unidos aumentaram os temores de que o Federal Reserve possa continuar elevando os custos dos empréstimos por mais tempo do que o esperado, medo que elevava o índice do dólar frente a uma cesta de pares fortes em 0,80% nesta tarde.