Mercado fechará em 5 h 56 min
  • BOVESPA

    110.140,64
    -1.932,91 (-1,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.874,91
    -1.144,00 (-2,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    75,99
    +0,11 (+0,14%)
     
  • OURO

    1.930,10
    -0,70 (-0,04%)
     
  • BTC-USD

    23.533,41
    -275,21 (-1,16%)
     
  • CMC Crypto 200

    537,54
    -7,78 (-1,43%)
     
  • S&P500

    4.179,76
    +60,55 (+1,47%)
     
  • DOW JONES

    34.053,94
    -39,02 (-0,11%)
     
  • FTSE

    7.851,73
    +31,57 (+0,40%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.718,00
    -128,75 (-1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5491
    +0,0594 (+1,08%)
     

Dólar cede ao menor nível desde novembro com entrada de recursos no Brasil

Notas de dólares

Por Andre Romani

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar à vista caiu mais de 1% ante o real nesta quarta-feira, para o patamar mais baixo em quase três meses, à medida que movimento de entrada de recursos vindos do exterior segue dando suporte à divisa brasileira.

No exterior, a moeda norte-americana mostrou enfraquecimento, em especial a partir do meio do pregão, o que também teve influência no movimento local. Ainda assim, o desempenho do real foi bem superior aos de seus pares emergentes e divisas de países desenvolvidos.

O dólar à vista caiu 1,21%, a 5,0807 reais na venda, menor nível de fechamento desde 4 de novembro do ano passado (5,0524).

O pregão foi de feriado na cidade de São Paulo.

O dólar acumula queda de 2,46% desde segunda-feira, mais do que compensando o avanço de 1,98% na semana passada.

"Eu acredito que o fator principal seja mesmo o fluxo estrangeiro", disse à Reuters a chefe de análise de trading na Toro Investimentos, Stefany Oliveira, que vê potencial de maior recuo caso o dólar consiga romper o nível dos 5,07 reais.

A expectativa de que o ciclo de alta de juros pelo Federal Reserve (Fed) esteja próximo do fim vem impulsionando o fluxo de recursos ao Brasil, segundo agentes financeiros.

A aposta majoritária no mercado é de elevação da taxa em 0,25 ponto percentual pelo banco central norte-americano em reunião na próxima semana, o que significaria uma nova redução de ritmo do aperto monetário.

A estabilização dos juros nos EUA tender a aumentar a atratividade do real, principalmente devido a operações no mercado baseadas no diferencial de juros entre os países, o chamado "carry trade".

Outros fatores também foram citados por analistas como gatilhos para esse fluxo ao Brasil, incluindo a reabertura da China, que eleva a entrada de recursos em países emergentes, a sustentação de preços de commodities e, para alguns, visão mais favorável do investidor estrangeiro com a cena doméstica em comparação ao investidor local.

O dólar recuava cerca de 0,30% frente a uma cesta de moedas fortes, após desempenho mais estável pela manhã. O enfraquecimento da moeda norte-americana impulsionou ainda mais o real durante o pregão, que desde a abertura já descolava de pares emergentes e das principais divisas do globo.

Investidores mostraram-se mais hesitantes nos mercados internacionais nesta sessão, atentos a decisões de política monetária semana que vem nos Estados Unidos e na zona do euro. Parte dos mercados na Ásia está fechada para as comemorações de Ano Novo Lunar, o que tende a reduzir a liquidez.

No mais, operadores monitoraram declarações do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que disse nesta quarta-feira, em pronunciamento ao lado do presidente do Uruguai, Luís Alberto Lacalle Pou, em Montevidéu, ser possível o Mercosul firmar um acordo comercial com a China e que as negociações irão começar assim que o bloco concluir as negociações com a União Europeia.

Um dos principais objetivos da viagem de Lula a Montevidéu era negociar com o presidente do Uruguai para preservar o Mercosul, que se vê ameaçado pela decisão uruguaia de negociar acordos de livre comércio à revelia do bloco, em especial com a China.