Mercado abrirá em 3 h 26 min
  • BOVESPA

    110.580,79
    +234,97 (+0,21%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.304,04
    -72,85 (-0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,93
    +1,16 (+1,06%)
     
  • OURO

    1.856,20
    -9,20 (-0,49%)
     
  • BTC-USD

    29.719,59
    +428,66 (+1,46%)
     
  • CMC Crypto 200

    661,30
    +5,47 (+0,83%)
     
  • S&P500

    3.941,48
    -32,27 (-0,81%)
     
  • DOW JONES

    31.928,62
    +48,38 (+0,15%)
     
  • FTSE

    7.507,13
    +22,78 (+0,30%)
     
  • HANG SENG

    20.171,27
    +59,17 (+0,29%)
     
  • NIKKEI

    26.677,80
    -70,34 (-0,26%)
     
  • NASDAQ

    11.749,25
    -21,75 (-0,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1548
    -0,0174 (-0,34%)
     

Dólar fecha acima de R$5 com disparada global da moeda por receio sobre estagflação

Notas de dólar ao redor de gráfico

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar disparou nesta quinta-feira e voltou a fechar acima de 5 reais, pegando carona no rali global da moeda norte-americana por receios de que os juros nos Estados Unidos tenham de subir mais do que o esperado.

A cotação mais do que devolveu toda a queda da véspera, quando investidores mostraram alívio com sinalização do chefe do banco central dos EUA de que altas mais fortes dos juros não deveriam ocorrer. Mas o respiro não durou 24 horas, e nesta quinta voltou a prevalecer o medo de um choque monetário nos EUA, movimento com potencial para sacudir os mercados em todo o planeta e drenar liquidez de países emergentes como o Brasil.

Assim, o dólar à vista fechou em alta de 2,34%, a 5,0166 reais na venda. A moeda variou entre alta de 0,58% (para 4,9305 reais) e ganho de 3,21% (para 5,0592 reais).

Na quarta-feira, a divisa havia caído 1,26%, para 4,902 reais.

No exterior, as moedas emergentes sofriam a maior queda desde meados de março. Já o índice do dólar frente a uma cesta de rivais de países ricos saltava 1%, para o maior valor em duas décadas.

Em outro sintoma do mau humor generalizado, as bolsas de valores despencaram. O Ibovespa recuou quase 3%, enquanto em Wall Street o índice Nasdaq --mais vulnerável ao aperto monetário nos EUA por ter maior peso de ações de crescimento-- desabou 5%.

O que começa a ganhar corpo na lista de preocupações de investidores é o risco de recessão, que seria fruto do aperto rápido das políticas monetárias globais, que por outro lado poderiam não ser capazes de barrar a inflação. O resultado disso seria a estagflação, fenômeno que tradicionalmente beneficia o dólar.

"A inflação alta impede que os bancos centrais atuem, como nos períodos do passado recente, fornecendo suporte à economia e aos mercados na forma de juros mais baixos e adição de liquidez nos mercados", disse a TAG Investimentos em carta mensal.

"Isso explica a pressão no mercado de commodities, assim como uma deterioração no ambiente para os ativos emergentes ao longo do mês, em que o Brasil acabou sendo duramente afetado", acrescentou. A gestora cita "um coquetel bastante perverso" para países como o Brasil: alta de juros no mundo desenvolvido, inflação alta, crescimento mais baixo (especialmente na China), menor demanda por commodities e consequente queda nos preços das matérias-primas.

Depois de ter se valorizado ao longo do primeiro trimestre, o real depreciou em abril e segue em queda no saldo das primeiras sessões de maio. O dólar subiu 3,79% em abril e em maio avança 1,48%, após cair 14,55% nos três primeiros meses do ano.

Essa "gordura" acumulada pela taxa de câmbio no começo de 2022 ajuda a explicar o porquê de a moeda brasileira ser agora uma das mais alvejadas pela liquidação global, com investidores realizando lucros em ativos "vencedores" durante o choque inicial da guerra da Ucrânia, que turbinou os preços das commodities.

E o cenário poderia ser pior para real caso o "beta" (uma medida de sensibilidade) em relação às ações de commodity locais fosse maior. Por uma lista do Goldman Sachs, o "beta" da moeda brasileira está no meio da tabela, enquanto rand sul-africano e peso colombiano parecem mais vulneráveis a uma correção nas ações locais de commodities.

"Vemos mais espaço para o real se desvalorizar e permanecer subavaliado em relação ao seu valor justo nos próximos meses", disseram profissionais do Rabobank em carta mensal.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos