Mercado abrirá em 7 h 52 min
  • BOVESPA

    106.924,18
    +1.236,18 (+1,17%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.579,90
    +270,60 (+0,55%)
     
  • PETROLEO CRU

    108,30
    -2,19 (-1,98%)
     
  • OURO

    1.805,80
    -2,40 (-0,13%)
     
  • BTC-USD

    30.305,70
    +750,40 (+2,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    681,19
    +0,09 (+0,01%)
     
  • S&P500

    4.023,89
    +93,81 (+2,39%)
     
  • DOW JONES

    32.196,66
    +466,36 (+1,47%)
     
  • FTSE

    7.418,15
    +184,81 (+2,55%)
     
  • HANG SENG

    19.825,12
    -73,65 (-0,37%)
     
  • NIKKEI

    26.554,63
    +126,98 (+0,48%)
     
  • NASDAQ

    12.310,00
    -72,75 (-0,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2534
    -0,0057 (-0,11%)
     

Dívida soberana ligada a metas ESG divide mercado de títulos

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·3 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

(Bloomberg) -- O tipo de dívida sustentável que mais cresce se mostra complicado para os governos do mundo.

O Chile tornou-se o primeiro país no mês passado a oferecer títulos vinculados à sustentabilidade, que atrelam o pagamento de juros ao alcance de metas éticas. Esse tipo de título já explodiu no mercado de dívida corporativa, com vendas de US$ 108 bilhões no ano passado, uma alta de mais de 800%.

Isso incentiva outras nações ao redor do mundo a estudar fazer o mesmo, como Uruguai, Peru e Paquistão.

Esses títulos foram saudados como uma forma de incentivar a ação climática e o cumprimento de metas nacionais, dado que as emissões globais continuam aumentando. O Banco Mundial está entre os que pressionam por essa forma de dívida para reduzir o risco de inadimplência e melhorar a resiliência dos países ao aumento global de temperaturas.

Mas aplicar esse formato a governos gera desafios espinhosos, desde quão ambiciosos eles são para atingir as metas ao dilema democrático de se comprometer com metas que um futuro governo pode não querer cumprir.

Esses aspectos práticos provavelmente limitarão aqueles que seguem os passos do Chile e criam uma divergência entre países e empresas no mercado de dívida ética de US$ 4 trilhões.

“A escolha de indicadores-chave de desempenho soberanos apropriados cria desafios adicionais não encontrados no espaço corporativo”, disse Juan G. Giráldez, sócio do escritório de advocacia Cleary Gottlieb, que trabalhou na emissão do Chile. “Você está comprometendo as finanças do país com metas de longo prazo, então as metas precisam ter uma ampla adesão que possa sobreviver a mudanças de governo.”

Se os emissores desse tipo de dívida não cumprem suas metas ambientais ou sociais, tem que pagar uma taxa de juros mais alta. No caso do Chile, o chamado aumento de custo máximo é de 0,25 ponto percentual.

Essa perspectiva de instituições financeiras - muitas das quais também fazem negócios com governos na venda e subscrição de dívidas - de acabar penalizando aqueles que não cumprem suas metas está deixando alguns participantes do mercado inquietos.

“Você toma um aumento de juros de uma empresa e é apenas dinheiro que sai de seu lucro. Mas quando você tira isso de um governo, você está tirando dos contribuintes”, disse Anjuli Pandit, diretor de títulos sustentáveis do HSBC para Europa, Oriente Médio, África e Américas. “Como investidor, é realmente ético você tomar esse dinheiro dessa maneira?”

Relatar o progresso em direção às metas também é mais um obstáculo para países, dados os desafios de coleta de dados em todos os setores de suas economias. O Chile, por exemplo, tem uma meta para 2030, mas os investidores terão que esperar até 2033 para saber se o país a cumpriu, disse Anne van Riel, chefe de mercados de capitais sustentáveis para as Américas do BNP Paribas.

Isso significa que qualquer aumento nos pagamentos de juros não acontecerá até 2034, amortecendo a penalidade financeira, que estrategistas do Morgan Stanley disseram parecer fraca em comparação com os títulos sustentáveis corporativos.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos