Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,33 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,48 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    60.295,41
    +1.245,39 (+2,11%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,34 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,03 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,27 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,08 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

Dívida pública federal sobe 2,75% em fevereiro com emissão recorde para o mês, diz Tesouro

·2 minuto de leitura
Dívida pública federal sobe 2,75% em fevereiro

BRASÍLIA (Reuters) - A dívida pública federal do Brasil cresceu 2,75% em fevereiro sobre janeiro, a 5,199 trilhões de reais, com um emissão de títulos recorde para o mês, informou o Tesouro Nacional nesta quarta-feira.

No mês, a dívida pública mobiliária interna teve avanço de 2,68%, a 4,951 trilhões de reais, enquanto a dívida externa aumentou 4,22%, para 247,93 bilhões de reais.

Em relatório, o Tesouro informou que sua reserva de liquidez fechou o mês em 933,22 bilhões de reais, ante 805,68 bilhões de reais em janeiro, refletindo principalmente o efeito da emissão líquida em fevereiro, que foi de 111,51 bilhões de reais -- terceiro maior volume da série histórica, depois dos meses de novembro e dezembro de 2020.

A emissão líquida resultou de emissões totais de 178 bilhões de reais e resgates de 66,5 bilhões de reais.

"Essas emissões foram concentradas basicamente em prefixados nos leilões tradicionais e em taxa flutuante nos leilões de rolagem antecipada de LFT", disse o coordenador-geral de Operações da Dívida Pública, Luiz Felipe Vital.

Em nota, o Tesouro destacou que fevereiro foi marcado por piora na percepção de risco de emergentes e pela cautela com o cenário fiscal doméstico.

Em relação à composição, os títulos que variam com a Selic, representados pelas LFTs, continuaram com maior peso na dívida pública federal, mas diminuíram essa fatia a 34,82% do total, abaixo dos 35,30% de janeiro.

Já os títulos prefixados, que dão mais previsibilidade à gestão da dívida, avançaram a 34,36% da dívida, ante 33,75% no mês anterior.

Os papéis indexados à inflação, por sua vez, mostraram pouca alteração, respondendo por 25,78% da dívida total, ante 25,98% em janeiro.

Em relação aos detentores, a participação dos investidores estrangeiros na dívida mobiliária interna aumentou ligeiramente para 9,43% em fevereiro, sobre 9,27% no mês anterior.

MARÇO

Ao comentar a conjuntura macroeconômica de março, Vital afirmou que, apesar de o mês ter iniciado sob um cenário "mais misto", a situação deteriorou-se ao longo do período. Ele disse que o mercado dos títulos dos Estados Unidos (Treasuries) continua "bastante volátil", influenciando o preço de outros ativos.

"Também tivemos diversos países relatando impactos da pandemia em suas economias, e isso, de forma geral, também gera um cenário externo mais negativo, uma percepção de risco pior para emergentes. O Brasil performou bastante em linha com seus pares."

Analisando a variação da curva de juros locais, Vital pontuou que ela ganhou nível, deslocando-se para cima. "Nos prazos mais curtos, isso se deve aos ajustes referentes a mudanças na política monetária, e nos prazos mais longo, se deve não só ao cenário externo mais negativo mas também a discussões sobre trajetória fiscal", explicou.

Ele, no entanto, classificou como "bastante positiva" a aprovação da PEC Emergencial, promulgada pelo Congresso Nacional neste mês, "que reforça bastante o nosso arcabouço de regras fiscais vigente".

(Por Isabel Versiani e Gabriel Ponte)