Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    56.962,72
    +451,65 (+0,80%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Dívida pública federal sobe 0,85% em março, diz Tesouro

·2 minuto de leitura
.

BRASÍLIA (Reuters) - A dívida pública federal do Brasil cresceu 0,85% em março sobre fevereiro, a 5,242 trilhões de reais, informou o Tesouro Nacional nesta quarta-feira.

No mês, a dívida pública mobiliária interna teve avanço de 0,74%, a 4,987 trilhões de reais, enquanto a dívida externa aumentou 3,04%, a 255,5 bilhões de reais.

Em relatório, o Tesouro informou que sua reserva de liquidez fechou o mês a 1,119 trilhão de reais, ante 933,2 bilhões de reais em fevereiro.

"O Tesouro realizou emissões, em março, acima da média dos últimos 12 meses, contribuindo para suprir a necessidade de financiamento do governo federal e para manter o caixa acima do limite prudencial", informou em nota, ressaltando que o mês de março foi negativo, de forma ampla, diante da deterioração na percepção de risco de emergentes.

O Tesouro também pontuou que o atual nível do seu colchão de liquidez é suficiente para fazer frente a mais de sete meses à frente de vencimentos, destacando que os meses de abril e maio deste ano concentram vencimentos estimados em 435 bilhões de reais.

Em relação à composição, os títulos que variam com a Selic, representados pelas LFTs, recuaram a 33,78% da dívida total em março, ante 34,82% no mês passado, deixando de ter o maior peso na dívida pública federal.

Já os títulos prefixados, que dão mais previsibilidade à gestão da dívida, avançaram a 34,67% da dívida, ante 34,36% em fevereiro, passando a ter maior peso na composição da dívida.

Os papéis indexados à inflação avançaram a 26,38% da dívida, ante 25,78% no mês passado.

Em relação aos detentores, a participação dos investidores estrangeiros na dívida mobiliária interna aumentou ligeiramente, a 9,54% em março, ante 9,43% em fevereiro.

(Por Gabriel Ponte)