Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,05 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,35 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +2,45 (+3,84%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    50.560,91
    +3.127,50 (+6,59%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,16 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,50 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    +197,50 (+1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7780
    -0,0079 (-0,12%)
     

Dívida pública federal salta 18% em 2020 e fecha em R$5,01 tri, acima da meta do PAF

Isabel Versiani
·2 minuto de leitura
Prédio do Ministério da Economia

Por Isabel Versiani

BRASÍLIA (Reuters) - A dívida pública federal subiu 17,9% em 2020 em relação ao ano anterior, para 5,010 trilhões de reais, informou o Tesouro Nacional nesta quarta-feira.

Em valores absolutos, o crescimento no ano passado foi de 760,7 bilhões de reais. Com isso, o estoque ficou acima do intervalo de 4,6 trilhões a 4,9 trilhões de reais estabelecido como meta no Plano Anual de Financiamento (PAF) do Tesouro para 2020.

Apenas em dezembro sobre novembro, a dívida pública federal aumentou 4,63%. Na mesma base de comparação, a dívida interna subiu 4,67% em dezembro, somando 4,766 trilhões de reais.

A participação dos papéis prefixados e dos títulos atrelados à Selic também ficou fora do que havia sido estabelecido como metas pelo Tesouro em setembro do ano passado, quando o PAF foi revisado em meio à crise gerada pela pandemia do coronavírus.

Os prefixados viram sua representatividade aumentar a 34,8% do total no ano, frente a 31% em dezembro do ano anterior, e um pouco acima da meta de 30% a 34% para o ano.

Os papéis atrelados à Selic, por sua vez, passaram de 38,9% no final de 2019 para 34,8%, abaixo da meta de 36% a 40%.

Os títulos indexados à inflação fecharam 2020 em 25,3% da dívida, abaixo do patamar de 26% registrado um ano antes, sendo que a referência para o ano era de 23% a 27%

Já os títulos remunerados pelo câmbio tiveram participação de 5,1% da dívida total, ante 4,1% em dezembro de 2019, mas também dentro da faixa de 3,0% a 7,0% fixada como meta.

A participação dos investidores estrangeiros em títulos da dívida interna fechou 2020 em 9,2%, ante 10,4% no último mês de 2019.

(Com reportagem de Gabriel Ponte)