Mercado fechará em 37 mins
  • BOVESPA

    129.973,99
    +532,96 (+0,41%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.135,42
    -151,04 (-0,29%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,92
    +0,01 (+0,01%)
     
  • OURO

    1.866,40
    -13,20 (-0,70%)
     
  • BTC-USD

    39.405,05
    +2.065,98 (+5,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    987,01
    +18,17 (+1,88%)
     
  • S&P500

    4.238,31
    -9,13 (-0,21%)
     
  • DOW JONES

    34.263,94
    -215,66 (-0,63%)
     
  • FTSE

    7.146,68
    +12,62 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    29.161,80
    +213,07 (+0,74%)
     
  • NASDAQ

    14.057,25
    +63,00 (+0,45%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1454
    -0,0472 (-0,76%)
     

Dívida pública federal recua 2,92% em abril a R$5,089 tri, informa Tesouro

·1 minuto de leitura
Moedas de reais retratadas no Rio de Janeiro

BRASÍLIA (Reuters) - A dívida pública federal do Brasil recuou 2,92% em abril sobre março, a 5,089 trilhões de reais, informou o Tesouro Nacional nesta quarta-feira.

No mês, a dívida pública mobiliária interna teve recuo de 2,7%, a 4,852 trilhões de reais, enquanto a dívida externa diminuiu 7,23%, a 237 bilhões de reais.

Em relatório, o Tesouro informou que sua reserva de liquidez fechou o mês de abril em 969,3 bilhões de reais, ante 1,119 trilhão de reais de março.

De acordo com o Tesouro, o nível atual é suficiente para 9,9 meses à frente de vencimentos. O órgão também destacou que, até o fim de 2021, haverá vencimentos estimados em 735 bilhões de reais.

Em relação à composição, os títulos que variam com a Selic, representados pelas LFTs, aumentaram a 35,5% da dívida total em abril, ante 33,78% em março, voltando a deter o maior peso na composição da dívida pública federal.

Já os títulos prefixados, que dão mais previsibilidade à gestão da dívida, recuaram a 31,9% da dívida em abril, ante 34,67% em março.

Os papéis indexados à inflação avançaram a 27,69% da dívida, ante 26,38% no mês passado.

Em relação aos detentores, a participação dos investidores estrangeiros na dívida mobiliária interna apresentou ligeiro avanço, a 9,75% em abril, ante 9,54% em março.

(Por Gabriel Ponte)