Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.291,59
    +413,06 (+0,37%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.934,21
    +259,38 (+0,59%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,70
    +0,06 (+0,13%)
     
  • OURO

    1.844,00
    +2,90 (+0,16%)
     
  • BTC-USD

    19.493,96
    +545,05 (+2,88%)
     
  • CMC Crypto 200

    382,19
    +7,79 (+2,08%)
     
  • S&P500

    3.666,72
    -2,29 (-0,06%)
     
  • DOW JONES

    29.969,52
    +85,73 (+0,29%)
     
  • FTSE

    6.490,27
    +26,88 (+0,42%)
     
  • HANG SENG

    26.728,50
    +195,92 (+0,74%)
     
  • NIKKEI

    26.809,37
    +8,39 (+0,03%)
     
  • NASDAQ

    12.478,00
    +15,75 (+0,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2383
    -0,0815 (-1,29%)
     

Dívida em dólares de mercados emergentes supera US$4 tri pela 1ª vez, diz BIS

Por Marc Jones
·1 minuto de leitura

Por Marc Jones

LONDRES (Reuters) - A dívida denominada em dólares em mercados emergentes ultrapassou 4 trilhões de dólares pela primeira vez após aumento na emissão durante a crise de Covid-19, mostraram dados do Banco de Compensações Internacionais (BIS, na sigla em inglês).

O grupo que reúne bancos centrais disse que um salto de 14% na emissão de dívida durante o segundo trimestre levou a um aumento de 7% na comparação anual no crédito denominado em dólar.

Os custos de empréstimo em dólar caíram desde que o Federal Reserve cortou sua taxa de juros para quase zero este ano, mas os mercados emergentes são muitas vezes alertados do "pecado original" de não conseguirem pagar a dívida em dólar quando sua própria moeda recua.

Consistente com os últimos trimestres, o crédito para a África e o Oriente Médio registrou a taxa de crescimento mais alta, de 14%, disse o BIS.

A região da Ásia-Pacífico emergente e a América Latina viram aumentos de 9% e 5% respectivamente na comparação anual. Em contraste, a Europa emergente teve queda de 5%.