Mercado abrirá em 9 h 53 min
  • BOVESPA

    120.705,91
    +995,88 (+0,83%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.829,31
    +80,90 (+0,17%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,62
    -0,20 (-0,31%)
     
  • OURO

    1.821,10
    -2,90 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    49.514,70
    -439,08 (-0,88%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.356,18
    -31,72 (-2,29%)
     
  • S&P500

    4.112,50
    +49,46 (+1,22%)
     
  • DOW JONES

    34.021,45
    +433,79 (+1,29%)
     
  • FTSE

    6.963,33
    -41,30 (-0,59%)
     
  • HANG SENG

    27.878,87
    +160,20 (+0,58%)
     
  • NIKKEI

    27.940,90
    +492,89 (+1,80%)
     
  • NASDAQ

    13.160,50
    +60,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4128
    +0,0003 (+0,00%)
     

Dívida corporativa argentina com retorno negativo tem demanda

Scott Squires
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A Argentina - com conhecido histórico de inadimplência e mais uma vez mergulhada em tensas negociações para a reestruturação da dívida com credores - pode ser o último lugar onde se espera encontrar títulos com rendimento negativo. Mas peculiaridades do mercado de capitais argentino transformaram o país em um surpreendente exemplo.

Empresas argentinas emitiram um recorde de US$ 596 milhões em títulos atrelados ao dólar no mercado doméstico nos últimos dois meses, e cerca de 30% desses papéis agora pagam rendimentos negativos. Investidores domésticos têm apostado nesses títulos, dispostos a aceitar perdas em dólar, porque os pagamentos em pesos dos títulos são ajustados para refletir oscilações na taxa de câmbio. Previsões pessimistas indicam que o peso pode se desvalorizar até 50% em dois anos, gerando retornos para investidores que ofuscam qualquer custo que incorram ao receber rendimentos negativos.

“O mercado local está avaliando a necessidade de um hedge contra a depreciação mais do que o risco de crédito do emissor”, disse Alejandro Haro, responsável por vendas e private banking do Banco Comafi, em Buenos Aires. “Enquanto estiver atrelado ao dólar, terá demanda.”

Na maioria dos países, investidores preocupados com a depreciação de moedas locais podem comprar dólares e títulos do Tesouro que pagam rendimento positivo.

Mas, na Argentina, controles de capital para segurar fluxos de saída de dólares limitam a capacidade dos cidadãos de comprar moeda americana e impedem que empresas estrangeiras repatriem dividendos. Economizar em pesos é uma estratégia para perder dinheiro diante da previsão de que a inflação ultrapasse 40% neste ano.

Empresas em busca de financiamento a juros baixos aproveitaram a dinâmica. As emissões de títulos atrelados ao dólar subiram em maio e junho com o aumento das expectativas de desvalorização cambial.

A YPF produtora estatal de petróleo, vendeu US$ 93 milhões em títulos de 18 meses com cupom de 0% que agora têm rendimento negativo de 1,9%. Isso poucos dias depois que a rival Pan American Energy emitiu US$ 25 milhões em títulos semelhantes, que oferecem retorno negativo de 2,3%.

Outros US$ 40 milhões em títulos vendidos pela exportadora de limões SA San Miguel no fim de junho estão quase em território negativo, com retorno de 0%.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.