Mercado abrirá em 8 h 54 min
  • BOVESPA

    95.368,76
    -4.236,78 (-4,25%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    37.393,71
    -607,60 (-1,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    37,48
    +0,09 (+0,24%)
     
  • OURO

    1.878,30
    -0,90 (-0,05%)
     
  • BTC-USD

    13.218,84
    +1,55 (+0,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    261,59
    -11,10 (-4,07%)
     
  • S&P500

    3.271,03
    -119,65 (-3,53%)
     
  • DOW JONES

    26.519,95
    -943,24 (-3,43%)
     
  • FTSE

    5.582,80
    -146,19 (-2,55%)
     
  • HANG SENG

    24.416,06
    -292,74 (-1,18%)
     
  • NIKKEI

    23.261,98
    -156,53 (-0,67%)
     
  • NASDAQ

    11.232,00
    +99,25 (+0,89%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7356
    +0,0012 (+0,02%)
     

Dívida bruta do Brasil vai a 101% do PIB neste ano e não se estabiliza até 2025, diz FMI

THAIS CARRANÇA
·5 minutos de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O FMI (Fundo Monetário Internacional) calcula que a dívida bruta brasileira deve ultrapassar a marca de 100% do PIB (Produto Interno Bruto) já em 2020 e que não há perspectiva de estabilização para a relação entre endividamento e PIB pelo menos até 2025. A deterioração fiscal e aumento da dívida pública brasileira seguem tendência mundial, em meio ao aumento de despesas dos países em resposta à pandemia, mas as estimativas para o Brasil chamam atenção por destoarem dos demais emergentes e pela piora em relação às projeções do próprio FMI feitas em abril, no início da crise do coronavírus. No relatório Monitor Fiscal divulgado nesta quarta-feira (13), o fundo estima que a relação entre dívida bruta e PIB do país deve saltar 11,9 pontos percentuais entre 2019 e 2020, passando de 89,5% para 101,4%, devido ao aumento de despesas com a pandemia. O patamar é o segundo mais alto entre economias emergentes para os quais o FMI tem dados, atrás apenas de Angola. Até 2025, a perspectiva é que a relação entre dívida bruta e PIB do Brasil cresça ano a ano, chegando a 104,4%, pela estimativa do FMI. A nova projeção representa uma piora na percepção do fundo quanto à trajetória da dívida brasileira. No Monitor Fiscal de abril, o FMI estimava que a relação entre dívida bruta e PIB do país chegaria a 98,2% em 2020, mas se estabilizaria nesse nível em 2021. Antes disso (e da pandemia), em outubro de 2019, o fundo esperava que a dívida do Brasil chegaria a 93,9% do PIB em 2020, indo a um pico de 95,3% em 2022 e voltaria a cair nos anos seguintes. Pelo critério do fundo, os títulos do Tesouro mantidos em carteira pelo Banco Central (BC) brasileiro entram na conta da dívida bruta. Nos seus cálculos, o BC desconsidera esses papéis. Com isso, a autoridade monetária brasileira estima que a relação entre dívida bruta e PIB fechou 2019 em 75,8% e chegou a 88,8% em agosto deste ano. Por essa diferença de critérios, os dados não são comparáveis. O FMI estima que o déficit nominal brasileiro (que inclui gastos com juros) deve saltar de 6% do PIB em 2019 para 16,8% em 2020. Desse salto de quase 11 pontos percentuais, mais de 8 pontos percentuais se devem às medidas fiscais de combate à pandemia, diz o fundo. Já o déficit primário, que desconsidera despesas financeiras, deve passar de 1% do PIB em 2019 para 12% em 2020. No relatório de abril, as estimativas do fundo eram de um déficit nominal de 9,3% e primário de 5,2% este ano. Cenário global O FMI calcula que as ações fiscais de combate à Covid-19 somam US$ 11,7 trilhões (R$ 65,2 trilhões) em todo o mundo, até 11 de setembro, próximo a 12% do PIB global. Com isso, a relação entre dívida bruta e PIB global deve saltar 15,7 pontos percentuais, de 83% em 2019, para 98,7% este ano. Em países avançados, a relação deve passar de 105,3% para 125,5%. Já em países emergentes, de 52,6% para 62,2% e na América Latina, de 70,8% para 81,6%. "A resposta enérgica dos governos salvou vidas, apoiou pessoas e empresas vulneráveis e mitigou as consequências da pandemia na atividade econômica", observa o FMI. "No entanto, as consequências da crise para as finanças públicas, combinadas com a perda de receitas resultante da contração da produção, foram enormes." O fundo destaca, no entanto, que caso se confirme uma recuperação da atividade e os juros se mantenham em patamares baixos e estáveis, a dívida pública global deve se estabilizar a partir de 2021 de maneira geral. Duas exceções relevantes são Estados Unidos e China. Nos EUA, a relação entre dívida bruta e PIB deve passar de 108,7% em 2019, para 131,2% este ano e chegar a 136,9% em 2025. Já na China, os patamares são de 52,6%, 61,7% e 78,1% nesses mesmos anos. Apesar da piora das contas públicas em todo o mundo, o FMI avalia que a política fiscal deve continuar a ser uma ferramenta essencial para a recuperação das economias. Para países em piores condições financeiras, o fundo diz que será necessário repriorizar gastos e entregar mais com menos, aumentando a eficiência. "Países com espaço fiscal limitado e menor acesso a financiamento devem proteger o investimento público e as transferências para famílias de baixa renda, aumentando ao mesmo tempo a taxação progressiva e assegurando que empresas altamente lucrativas estejam sendo adequadamente tributadas", recomenda o FMI. O fundo estima que um aumento do investimento público em 1% pode elevar o PIB em 2,7%, o investimento privado em 10% e o emprego em 1,2% em dois anos, se os recursos públicos forem alocados de forma eficiente e o nível de endividamento público e privado não enfraquecer a resposta do setor privado ao estímulo. "Embora o endividamento público esteja em níveis recordes, é necessário mais suporte para proteger as pessoas que não podem ganhar a vida sob as atuais circunstâncias e para promover uma forte recuperação", diz o fundo. "As políticas fiscais devem ser adequadas às diferentes fases da pandemia, adaptando-se à evolução das necessidades e garantindo a sustentabilidade da dívida." Na terça-feira (13), o FMI revisou sua projeção para a queda do PIB mundial em 2020 para 4,4%, ante recuo de 5,2% previsto em junho. Para o Brasil, a estimativa passou a queda de 5,8% este ano, menor do que o tombo de 9,1% esperado anteriormente.