Mercado abrirá em 4 h 33 min

Dívida argentina atinge novas profundezas com tensões políticas

(Bloomberg) -- Mesmo pelos padrões da crise da dívida argentina e do calote de 2020, os títulos soberanos do país são negociados agora em níveis sem precedentes.

As notas de referência com vencimento em 2030 caíram quase 4 centavos por dólar para 20 centavos desde que Silvina Batakis foi nomeado ministra da Economia em 3 de julho, ameaçando uma guinada para a esquerda em um governo que luta contra a turbulência econômica. Antes da reestruturação da dívida há dois anos, os títulos, que tinham cupons mais altos do que os atuais, nunca caíram abaixo de 23 centavos.

É um sinal de como as coisas estão ruins que mesmo as notas com vencimento em 2046 tenham sido negociadas recentemente abaixo de 20 centavos, embora o governo tenha confirmado na semana passada que fará um pagamento de cupom de quase US$ 700 milhões com vencimento em 9 de julho. Um retorno rápido de 5,5% nos títulos em poucos dias não foi suficiente para atrair o interesse de investidores.

“O mercado já está precificando uma catástrofe, ou algo próximo disso”, disse Joaquin Almeyra, operador de renda fixa da Bulltic em Miami. “Ninguém pode prever o que vai acontecer em seis meses, e não há como fazer um investimento nesse contexto.”

Atualmente, o governo não paga quase nada sobre seus títulos soberanos. Dois anos atrás, a dívida tinha cupons de até 8%, com essas notas chegando a 23 centavos por dólar antes de um acordo de reestruturação dar aos credores cerca de 53 centavos. Os títulos atuais carregam cupons a partir de 0,5% e não têm principal devido até 2024.

O pessimismo da semana passada decorre da incerteza sobre como Batakis, uma burocrata pouco conhecida com laços com a facção de esquerda do governo liderada pela vice-presidente Cristina Fernández de Kirchner, vai dirigir a economia.

Por enquanto, Batakis está sinalizando que continuará no caminho traçado por seu antecessor, dizendo em entrevista à TV em 6 de julho que o governo não desvalorizaria o câmbio oficial, que não aumentaria ainda mais os impostos de exportação e que a meta de déficit fiscal de 2,5% do PIB para este ano permanecerá em vigor.

Batakis disse na quinta-feira que a Argentina “avançará rapidamente com a redução de subsídios”, segundo um resumo de seus comentários aos meios de comunicação locais enviados por uma porta-voz.

Uma porta-voz de Batakis não respondeu a pedidos de mais comentários.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos