Mercado abrirá em 5 mins
  • BOVESPA

    119.646,40
    -989,99 (-0,82%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.125,71
    -369,70 (-0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,95
    -0,36 (-0,68%)
     
  • OURO

    1.871,70
    +5,20 (+0,28%)
     
  • BTC-USD

    32.648,60
    -853,50 (-2,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    648,95
    -51,66 (-7,37%)
     
  • S&P500

    3.851,85
    +52,94 (+1,39%)
     
  • DOW JONES

    31.188,38
    +257,86 (+0,83%)
     
  • FTSE

    6.748,41
    +8,02 (+0,12%)
     
  • HANG SENG

    29.927,76
    -34,71 (-0,12%)
     
  • NIKKEI

    28.756,86
    +233,60 (+0,82%)
     
  • NASDAQ

    13.343,00
    +48,75 (+0,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4219
    +0,0139 (+0,22%)
     

Déficit nos Estados do Golfo chegaria a US$ 490 bi em 2023

·1 minuto de leitura
Logo S&P Global em um prédio em Washington

Estima-se que os Estados árabes do Golfo, ricos em combustíveis fósseis, acumularão pelo menos US$ 490 bilhões de déficit para 2023, devido aos baixos preços do petróleo e às consequências econômicas da crise de COVID-19 - informou a Standard & Poors nesta segunda-feira (20).

Para este ano, calcula-se que o déficit combinado das seis nações que compõem o Conselho de Cooperação para os Estados Árabes do Golfo (CCEAG) chegue a US$ 180 bilhões, de acordo com um relatório da agência de classificação.

A S&P fez suas estimativas com base em um preço médio do barril de petróleo de US$ 30 para este ano, prevendo que chegará aos US$ 55 em 2022.

As necessidades de financiamento dos membros do CCEAG (Barein, Kuwait, Omã, Catar, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos) aumentaram significativamente este ano, disse a agência.

"Calculamos que a dívida total do CCEAG aumente em uma quantidade recorde de cerca de US$ 100 bilhões somente em 2020", acrescentou.

"De acordo com nossos cálculos macroeconômicos, os balanços do CCEAG continuariam se deteriorando até 2023", acumulando US$ 490 bilhões.

A pandemia de COVID-19 afetou a demanda mundial de petróleo, fazendo os preços do petróleo despencarem para um nível mínimo em duas décadas, apesar da recuperação parcial.

De acordo com a S&P, a Arábia Saudita, a economia árabe mais forte, representará 55% do déficit total do grupo, seguida pelo Kuwait, com 17%, e por Abu Dhabi, com 11%.