Mercado abrirá em 9 h 46 min
  • BOVESPA

    112.282,28
    +2.032,55 (+1,84%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.338,34
    +510,21 (+1,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,42
    +0,19 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.763,40
    -15,40 (-0,87%)
     
  • BTC-USD

    43.681,49
    +1.473,88 (+3,49%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.096,33
    +55,85 (+5,37%)
     
  • S&P500

    4.395,64
    +41,45 (+0,95%)
     
  • DOW JONES

    34.258,32
    +338,48 (+1,00%)
     
  • FTSE

    7.083,37
    +102,39 (+1,47%)
     
  • HANG SENG

    24.498,47
    +276,93 (+1,14%)
     
  • NIKKEI

    29.639,40
    -200,31 (-0,67%)
     
  • NASDAQ

    15.192,75
    +29,25 (+0,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2146
    +0,0058 (+0,09%)
     

Déficit do governo diminui, mas rombo de R$ 73 bi em 2021 é o 3º maior da história

·2 minuto de leitura
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 08.02.2019: Calculadora científica. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 08.02.2019: Calculadora científica. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O governo central (que incluem Tesouro Nacional, Previdência e Banco Central) registrou um déficit de R$ 73,4 bilhões no acumulado de 2021 –o terceiro pior resultado para o período na série histórica (iniciada em 1997).

Só no mês de julho, o déficit foi de R$ 19,8 bilhões. Apesar disso, o resultado foi superior às projeções de analistas compiladas pela pesquisa Prisma Fiscal, do Ministério da Economia –que indicava um déficit de R$ 31,4 bilhões no mês.

O resultado, divulgado pelo Tesouro Nacional nesta segunda-feira (30), mostra um déficit 86% menor (em termos reais) no acumulado do ano na comparação com igual período de 2020. A despesa total caiu 21% (para R$ 944,5 bilhões), enquanto a receita líquida subiu 32% (para R$ 871,1 bilhões).

No ano passado, o país enfrentava o primeiro ano da pandemia e o governo executava medidas com impacto fiscal mais forte –como o auxílio emergencial maior e adiamentos de impostos mais amplos.

Apesar da melhora em relação a 2020, despesas ligadas à crise sanitária continuam limitando os números neste ano.

Entre essas despesas, estão créditos extraordinários (como os direcionados à Saúde) –que já alcançam R$ 68 bilhões em 2021.

A diminuição em relação ao ano passado decorre tanto da desaceleração das despesas anticrise como da expansão das receitas federais neste ano.

O Tesouro afirmou que o país deve "manter o zelo e a responsabilidade ao lidar com a melhoria do quadro fiscal" e defendeu regras fiscais.

"É preciso lembrar que essa melhoria veio do respeito a um conjunto de regras fiscais, e a manutenção desse compromisso é que fará as expectativas se realizarem em todo o seu potencial. É nesse contexto fiscal que o país avança na recuperação das condições econômicas após o forte choque negativo provocado pelo Covid-19", afirmou o Tesouro em nota sobre os resultados.

"Na medida em que o cenário para indicadores fiscais seja mais bem percebido, deverá se refletir em menores custos de rolagem da dívida, que por sua vez podem gerar efeitos ainda mais positivos sobre o próprio quadro prospectivo fiscal e econômico", disse o Tesouro.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos