Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.496,21
    -2.316,66 (-2,04%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.463,26
    -266,54 (-0,55%)
     
  • PETROLEO CRU

    89,91
    -0,59 (-0,65%)
     
  • OURO

    1.760,30
    -10,90 (-0,62%)
     
  • BTC-USD

    21.001,47
    -2.197,22 (-9,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    504,88
    -36,72 (-6,78%)
     
  • S&P500

    4.228,48
    -55,26 (-1,29%)
     
  • DOW JONES

    33.706,74
    -292,30 (-0,86%)
     
  • FTSE

    7.550,37
    +8,52 (+0,11%)
     
  • HANG SENG

    19.773,03
    +9,12 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    28.930,33
    -11,81 (-0,04%)
     
  • NASDAQ

    13.250,00
    -273,25 (-2,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1885
    -0,0253 (-0,49%)
     

Déficit comercial recorde pesa sobre a economia dos EUA no 1º trimestre

Porto de Long Beach, Califórnia, EUA

WASHINGTON (Reuters) - A economia dos Estados Unidos contraiu no primeiro trimestre em meio a um déficit comercial recorde, confirmou o governo nesta quarta-feira.

O Produto Interno Bruto caiu a uma taxa anualizada de 1,6% no último trimestre, disse o governo em sua terceira estimativa do PIB. O dado foi revisado para baixo em relação ao ritmo de queda de 1,5% relatado no mês passado. A economia cresceu a um ritmo robusto de 6,9% no quarto trimestre.

Economistas consultados pela Reuters projetavam que o ritmo de contração não seria revisado.

O declínio do PIB no último trimestre também refletiu um ritmo mais lento de acúmulo de estoques pelas empresas em relação ao ritmo acelerado do quarto trimestre, devido a problemas da cadeia de suprimentos e escassez de trabalhadores.

As vendas finais para compradores domésticos privados, que excluem comércio, estoques e gastos do governo, aumentaram a uma taxa de 3,0% no último trimestre. Anteriormente foi informada alta de 3,9% desta medida da demanda doméstica.

A economia parece ter se recuperado da queda do primeiro trimestre, com os gastos dos consumidores acelerando em abril.

Os gastos empresariais com equipamentos permaneceram sólidos até maio, enquanto o déficit do comércio de bens diminuiu significativamente à medida que as exportações atingiram um nível recorde.

Mas a retomada está perdendo força uma vez que o Federal Reserve aperta agressivamente a política monetária para combater a inflação, aumentando os temores de uma recessão.

O banco central dos EUA aumentou este mês sua taxa de juros em 0,75 ponto percentual, a maior alta desde 1994. O Fed aumentou os juros em 1,50 ponto desde março.

As vendas no varejo caíram em maio, enquanto que as licenças de construção de moradias e o início de construções diminuíram. A confiança dos consumidores atingiu o nível mais baixo dos últimos 16 meses em junho.

(Reportagem de Lucia Mutikani)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos