Mercado fechado
  • BOVESPA

    128.405,35
    +348,13 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.319,57
    +116,77 (+0,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,50
    +0,46 (+0,65%)
     
  • OURO

    1.763,90
    -10,90 (-0,61%)
     
  • BTC-USD

    34.587,68
    -1.369,54 (-3,81%)
     
  • CMC Crypto 200

    888,52
    -51,42 (-5,47%)
     
  • S&P500

    4.166,45
    -55,41 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    33.290,08
    -533,37 (-1,58%)
     
  • FTSE

    7.017,47
    -135,96 (-1,90%)
     
  • HANG SENG

    28.801,27
    +242,68 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    28.964,08
    -54,25 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    14.103,00
    -62,50 (-0,44%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0361
    +0,0736 (+1,23%)
     

Década de custos mais baixos de energia solar é revertida

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A queda dos custos da energia solar, um importante fator que a tornou a fonte de eletricidade de crescimento mais rápido do mundo, reverteu a trajetória.

Os preços de módulos solares aumentaram 18% desde o início do ano, após a queda de 90% na década anterior. A reversão, impulsionada pelo custo do polissilício, principal matéria-prima cujo preço quadruplicou, ameaça atrasar projetos e diminuir o consumo de energia solar, justo quando vários governos finalmente passam a apoiar a iniciativa para desacelerar a mudança climática.

“A disrupção na energia solar nunca foi tão ruim em mais de uma década”, disse Jenny Chase, analista-chefe do grupo de pesquisa de energia limpa da BloombergNEF. “Incorporadoras e governos não poderão mais esperar que a energia solar fique mais barata rapidamente.” A BNEF reduziu ligeiramente sua previsão para projetos de energia solar este ano em relatório da semana passada, citando o aumento dos preços de matérias-primas, incluindo o polissilício, como um dos motivos.

Os preços mais altos afetam a demanda e podem atrasar alguns projetos de grande escala, disse a fabricante de painéis Canadian Solar em teleconferência de resultados na quinta-feira. Na Índia, cerca de 10 gigawatts de projetos podem ser atingidos, o equivalente a mais de 25% da capacidade atual do país, informou o Mint, citando incorporadoras não identificadas. Projetos de grande escala nos Estados Unidos também podem ser adiados, disseram analistas da Cowen & Co.

Preços em alta podem obrigar gigantes estatais de energia na China a adiarem projetos para o próximo ano, de acordo com analistas do Solarzoom. Os atrasos podem ser grandes o suficiente para fazer de 2021 o primeiro ano negativo em instalações solares globais em 17 anos, disseram.

Projetos globais que não assinaram acordos de preço com concessionárias que compram a energia podem ser atrasados, a menos que o cliente esteja disposto a pagar uma tarifa mais alta pela eletricidade, disse Xiaojing Sun, analista da Wood Mackenzie.

No centro da crise está o polissilício, uma forma ultrarrefinada de silício, uma das matérias-primas mais abundantes, encontrado facilmente na areia das praias. Mas enquanto a indústria de energia solar se preparava para atender a um aumento esperado da demanda por módulos, fabricantes de polissilício não conseguiram acompanhar. Os preços do metalóide purificado chegaram a US$ 25,88 o quilo em relação a US$ 6,19 há menos de um ano, de acordo com a PVInsights.

Os preços do polissilício devem permanecer altos até o final de 2022, de acordo com analistas da Roth Capital Partners, incluindo Philip Shen.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos