Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +997,93 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,23 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,47
    +1,49 (+1,86%)
     
  • OURO

    1.815,60
    +6,00 (+0,33%)
     
  • BTC-USD

    17.214,75
    +262,09 (+1,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    407,57
    +6,14 (+1,53%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,88 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,05 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.800,34
    +22,44 (+0,08%)
     
  • NASDAQ

    11.998,25
    -12,00 (-0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5015
    +0,0075 (+0,14%)
     

Cyrela tem avanço de 21,5% no lucro líquido no 3° tri

SÃO PAULO (Reuters) - A Cyrela teve lucro líquido de 289 milhões de reais no terceiro trimestre, alta de 21,5% frente à mesma etapa do ano passado, segundo balanço divulgado nesta quinta-feira.

Analistas, em média, esperavam lucro de 207,9 milhões de reais, segundo dados da Refinitiv.

A receita líquida da Cyrela subiu 21,1% no período, para 1,56 bilhão de reais, devido, principalmente, ao maior volume tanto de obras em andamento de unidades já comercializadas quanto de reconhecimentos de lançamentos, de acordo com a companhia.

A empresa havia revelado em outubro seus dados operacionais, com alta de 67,4% em vendas contratadas, para 2,3 bilhões de reais, e avanço de 33,1% no valor geral de vendas (VGV) com lançamentos.

A margem bruta da Cyrela cedeu 0,8 ponto percentual no entre julho e setembro na base anual, a 33,9%.

As despesas comerciais somaram 152 milhões de reais, alta de 43,9% em relação a um ano antes, devido ao aumento no volume de lançamentos e vendas, enquanto as despesas gerais e administrativas subiram 36,2% em 12 meses, para 151 milhões, por um aumento nos gastos com pessoal e serviços de terceiros, assim como impacto das atividades da CashMe, fintech da empresa.

A empresa afirmou que "continua adotando cautela" nas decisões em função do momento desafiador para o mercado imobiliário e das incertezas macroeconômicas locais e globais, segundo o balanço.

(Por Andre Romani)