Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.782,15
    -194,55 (-0,18%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.081,33
    -587,31 (-1,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,74
    -0,50 (-0,65%)
     
  • OURO

    1.739,70
    -0,60 (-0,03%)
     
  • BTC-USD

    16.183,11
    -205,29 (-1,25%)
     
  • CMC Crypto 200

    379,50
    -0,79 (-0,21%)
     
  • S&P500

    3.963,94
    -62,18 (-1,54%)
     
  • DOW JONES

    33.849,46
    -497,57 (-1,45%)
     
  • FTSE

    7.474,02
    -12,65 (-0,17%)
     
  • HANG SENG

    17.297,94
    -275,64 (-1,57%)
     
  • NIKKEI

    27.981,07
    -181,76 (-0,65%)
     
  • NASDAQ

    11.629,00
    +12,75 (+0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5433
    -0,0059 (-0,11%)
     

CVM intima Mercado Bitcoin a explicar criptomoedas de ‘renda fixa’

Aplicativo e site do Mercado Bitcoin
Aplicativo e site do Mercado Bitcoin

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) intimou a corretora Mercado Bitcoin a prestar esclarecimentos sobre seus produtos financeiros que estão sendo lançados em forma de tokens.

O movimento de tokenização de ativos tomou conta do mercado financeiro nos últimos anos e várias instituições estão entrando neste mercado.

O Itaú, por exemplo, lançou uma equipe de Digital Assets para tokenizar produtos financeiros para sua base de clientes. Outros bancos seguem o movimento.

Corretoras de criptomoeda já vinham realizando tal ação há algum tempo, visto que possuem mais experiência com criptomoedas e com a tecnologia blockchain.

CVM intima Mercado Bitcoin a esclarecer melhor sobre os seus produtos de renda fixa

A CVM é a autarquia federal no Brasil cuja missão é fiscalizar e regular o mercado de investimentos e produtos financeiros. Quando alguma situação anormal é detectada, a comissão deve agir para garantir que nenhum problema saia do controle.

Assim, de acordo com informações divulgadas pelo Estadão, a CVM intimou a corretora Mercado Bitcoin, uma das maiores do país. O motivo do movimento é entender melhor como funcionam os produtos de renda fixa que a corretora vem oferecendo para seus clientes.

Em suas divulgações, o MB oferta esses produtos considerados de renda fixa para investidores a partir de R$ 100,00, feitos em ativos estáveis e que podem dar retornos superiores à poupança no curto prazo.

Os tokens são de consórcios, energia, precatórios e recebíveis, que são comercializados para seus investidores.

Para a CVM, o Mercado Bitcoin terá de informar a relação de investidores desde 2020, quanto eles aportaram nos produtos e se a corretora pretende manter a oferta destes. Caso a empresa mantenha essa oferta disponível, poderá enfrentar ações cautelares por parte da autarquia.

O que diz o Mercado Bitcoin?

Procurado pelo Livecoins, o Mercado Bitcoin, que mudou sua marca para MB recentemente, disse que não oferta nenhum produto fora das autorizações que já tem.

O MB é uma startup brasileira que investe no desenvolvimento do mercado local seguindo a legislação do Brasil desde sua fundação, em 2013, e tem sido vocal em favor da regulação dos prestadores de serviços de ativos digitais, via aprovação do PL 4.401/21. Ainda, participa ativamente do Laboratório de Inovação da CVM e do LIFT do Banco Central, contribuindo para a construção de normativos para o setor.

Nesse sentido, não realizamos oferta pública de valores mobiliários fora do escopo das autorizações que possuímos como plataforma autorizada de crowdfunding e de gestora de investimentos.

Em relação aos chamados non-security tokens (tokens que não representam valores mobiliários), tomamos os devidos cuidados para não infringir o campo de atuação de entidades autorizadas, inclusive, consultando previamente o regulador sobre a estrutura usada para tais tokens, no início de nossas operações, em 2020.

Fonte: Livecoins