Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.877,70
    -53,10 (-2,75%)
     
  • BTC-USD

    23.378,24
    +54,93 (+0,24%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

CVM inclui Lemann, Sicupira e Telles em investigações sobre crise na Americanas

***ARQUIVO*** POÁ, SP, BRASIL, 12-02-2019: Retrato do fundador do 3G Capital e da Fundação Estudar Jorge Paulo Lemann (camisa azul) na sede da ONG Gerando Falcões  em Poá, na Grande São Paulo. (Foto: Bruno Santos/ Folhapress)
***ARQUIVO*** POÁ, SP, BRASIL, 12-02-2019: Retrato do fundador do 3G Capital e da Fundação Estudar Jorge Paulo Lemann (camisa azul) na sede da ONG Gerando Falcões em Poá, na Grande São Paulo. (Foto: Bruno Santos/ Folhapress)

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - A força tarefa criada pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários) para apurar a crise na Americanas decidiu investigar também a conduta dos acionistas de referência da companhia, o trio de bilionários Jorge Paulo Lemann, Beto Sicupira e Marcel Telles.

Ao lado dos administradores da companhia, eles são alvo de um processo que investiga os passos adotados após o anúncio das "inconsistências contábeis" que culminaram com o pedido de recuperação judicial nesta quinta-feira (19).

Procurada, a Americanas ainda não comentou o assunto. A Folha de S.Paulo não conseguiu contato com os empresários ou seus porta-vozes.

A CVM não divulga detalhes dos processos, mas especialista ouvido pela Folha de S.Paulo entende que o objetivo é avaliar se houve omissão de informações relevantes no primeiro comunicado sobre o tema, divulgado no dia 11 de janeiro.

Nele, a Americanas informava ao mercado a descoberta de "inconsistências contábeis" no valor de R$ 20 bilhões, com a identificação de operações de financiamento de compras que "não se encontram adequadamente refletidas" no balanço.

Dois dias depois, a empresa foi à Justiça pedir proteção contra seus credores, ação que não havia sido anunciada no primeiro comunicado.

"Embora não esteja claro, [o objeto do processo] dá a entender que a CVM está investigando se a comunicação feita em 11 de janeiro foi clara o suficiente para dizer tudo o que o mercado precisava saber", diz Tiago Gomes, mestre em direito comercial pela USP e sócio do Ambiel Advogados.

Lemann, Sicupira e Telles têm 30,1% das ações da Americanas, volume bem superior ao segundo maior acionista, a gestora de fundos de investimento Capital Group, com 9,91%. Sicupira é ainda membro do conselho de administração.

Gomes pondera, no entanto, que o Brasil tem pouca jurisprudência na responsabilização de acionistas de empresas, o que torna imprevisível o desenrolar do caso.

O processo que envolve os acionistas de referência é um dos sete já abertos na CVM para apurar a conduta da empresa e de seus administradores. Um deles vai avaliar também a atuação das empresas de classificação de risco que analisaram as contas da companhia.

Em outros três, a CVM apura eventuais irregularidades nas informações contábeis da empresa, na divulgação de fatos relevantes e comunicados e na negociação de ações por seus diretores. Intermediários na emissão de ações são alvos de outro processo.

A Folha teve acesso a informações do primeiro processo aberto, no dia 12 de janeiro, que investiga as demonstrações contábeis da companhia.

Nele, a CVM pede à administração da Americanas detalhes sobre as inconsistências contábeis e seus reais impactos nas finanças da companhia. Questiona ainda porque os administradores disseram que os impactos no caixa são "imateriais".

O órgão determina também que a empresa identifique os procedimentos adotados para corrigir o problema. O processo lista balanços divulgados pela companhia desde o início da década passada, mas foca os pedidos de informações de resultados desde 2017.

A CVM diz ainda que está fazendo uso de convênios e da cooperação que possui com a Polícia Federal e com o Ministério Público Federal para investigar o caso.

"Após a investigação e apuração de fatos e eventos, caso venham a ser formalmente caracterizados ilícitos e/ou infrações, cada um dos responsáveis poderá ser devidamente responsabilizado com o rigor da lei e na extensão que lhe for aplicável", diz a CVM.