Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.885,43
    +327,76 (+0,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.942,24
    +23,96 (+0,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,42
    +0,37 (+0,51%)
     
  • OURO

    1.786,50
    +1,80 (+0,10%)
     
  • BTC-USD

    50.597,89
    -447,05 (-0,88%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.318,56
    +13,44 (+1,03%)
     
  • S&P500

    4.695,22
    +8,47 (+0,18%)
     
  • DOW JONES

    35.735,43
    +16,00 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.337,05
    -2,85 (-0,04%)
     
  • HANG SENG

    23.996,87
    +13,21 (+0,06%)
     
  • NIKKEI

    28.860,62
    +405,02 (+1,42%)
     
  • NASDAQ

    16.365,00
    +47,00 (+0,29%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2794
    -0,0603 (-0,95%)
     

CVM abre processo contra ex-executivos do IRB por manipulação de mercado

·2 min de leitura

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - A CVM (Comissão de Valores Mobiliários) decidiu abrir processo contra dois ex-executivos da resseguradora IRB Brasil Re por divulgação de informações falsas e manipulação de mercado em episódio que gerou a maior crise da história da companhia, no início de 2020.

José Carlos Cardoso e Fernando Passos ocupavam a presidência e a diretoria financeira da companhia quando disseram, em reunião com analistas, que o fundo de investimentos Berkshire Hathaway havia comprado participação relevante na empresa, levando as ações a subir 6,6% no dia seguinte.

A informação, porém, foi desmentida pelo fundo do megainvestidor Warren Buffet, que disse nunca ter participado e nem ter o interesse de participar da empresa, detonando uma onda de desconfiança em relação à gestão da companhia.

A reportagem ainda não conseguiu o contato de Cardoso e Passos. O IRB não quis comentar o assunto.

Cardoso e Passos renunciaram em meio à crise. Investigação contratada pela gestão que os substituiu detectou irregularidades no pagamento de cerca de R$ 60 milhões em bônus a diretores e colaboradores nos anos anteriores.

A investigação da CVM concluiu que Cardoso falhou em seu dever de diligência ao divulgar informação falsa ao mercado. Passos, por sua vez, é acusado de perpetrar a irregularidade de manipulação de preços no mercado de valores mobiliários.

Os problemas começaram no fim de 2019, depois que a corretora de valores Squadra questionou suposta maquiagem nos lucros da companhia, e se agravaram com o pedido de renúncia do presidente do conselho de administração, Ivan Monteiro, em fevereiro.

A notícia da compra de ações pelo Berkshire Hathaway foi dada logo depois a analistas e ao jornal O Estado de S. Paulo com o objetivo de reverter as desconfianças sobre a gestão da empresa.

O IRB tinha um agressivo programa de bônus para executivos, que premiava a diretoria também pela valorização das ações em bolsa. Entre 2017 e 2019, a companhia teve valorização de 200%, a terceira maior da Bolsa de São Paulo.

Além de detectar os responsáveis pela divulgação de informações falsas, as investigações da seguradora concluíram que entre fevereiro e março de 2020 a empresa recomprou um volume de ações maior do que as quantidades autorizadas pelo conselho de administração, processo que ajuda a valorizar os papéis.

Após o escândalo, o IRB Brasil Resseguros decidiu republicar o balanço de 2019, reduzindo em R$ 550 milhões o lucro líquido realizado durante o ano. A empresa anunciou ainda queda de 92,2% no lucro do primeiro trimestre.

O IRB disse, na época, que reavaliações dos resultados anteriores "confirmaram que uma série de registros contábeis conduzidos pela antiga diretoria estavam efetivamente incorretos e recomendavam ajustes".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos