Mercado abrirá em 1 h 30 min
  • BOVESPA

    111.539,80
    +1.204,97 (+1,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.682,19
    +897,61 (+2,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,86
    +1,11 (+1,86%)
     
  • OURO

    1.722,50
    -11,10 (-0,64%)
     
  • BTC-USD

    51.638,40
    +2.594,93 (+5,29%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.031,69
    +43,59 (+4,41%)
     
  • S&P500

    3.870,29
    -31,53 (-0,81%)
     
  • DOW JONES

    31.391,52
    -143,99 (-0,46%)
     
  • FTSE

    6.673,23
    +59,48 (+0,90%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.559,10
    +150,93 (+0,51%)
     
  • NASDAQ

    13.145,75
    +90,50 (+0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8561
    -0,0060 (-0,09%)
     

CVM abre nova investigação sobre Petrobras após reclamação de investidor

·1 minuto de leitura
Logo Petrobras no Rio de Janeiro

SÃO PAULO (Reuters) - A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) abriu outro processo contra a Petrobras, na esteira do imbróglio causado pelo anúncio de troca no comando da companhia feito pelo presidente Jair Bolsonaro.

Segundo registro no website do regulador do mercado de capitais, o processo foi aberto pela superintendência de relações com empresas, após a reclamação de um investidor.

Na segunda-feira, a CVM já havia tornado público que abriu investigação envolvendo a estatal após notícias sobre a troca no comando provocarem queda nas ações da estatal de cerca de 20% na Bovespa.

Num post nas redes sociais na sexta-feira à noite, Bolsonaro anunciou que o governo decidiu indicar o general Joaquim Silva e Luna para assumir como conselheiro e presidente da Petrobras após o encerramento do ciclo do atual presidente da companhia, Roberto Castello Branco.

Pela lei societária, empresas listadas em bolsa como a Petrobras devem comunicar informações importantes por meio de um fato relevante, o que não aconteceu. Além disso, mudanças dos principais executivos das empresas devem ser aprovadas pelo conselho de administração, o que também ainda não houve.

(Por Aluisio Alves)