Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.976,70
    -2.854,30 (-2,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.668,64
    -310,36 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,97
    -2,31 (-3,03%)
     
  • OURO

    1.746,30
    -7,70 (-0,44%)
     
  • BTC-USD

    16.143,56
    -356,93 (-2,16%)
     
  • CMC Crypto 200

    378,21
    -4,44 (-1,16%)
     
  • S&P500

    4.026,12
    -1,14 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    34.347,03
    +152,93 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.486,67
    +20,07 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    16.863,68
    -709,90 (-4,04%)
     
  • NIKKEI

    28.131,14
    -151,89 (-0,54%)
     
  • NASDAQ

    11.676,50
    -106,25 (-0,90%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5993
    -0,0251 (-0,45%)
     

CVC reduz prejuízo líquido para R$75 mi no 3° tri

SÃO PAULO (Reuters) - O grupo de turismo CVC Brasil disse nesta terça-feira que teve prejuízo líquido de 75 milhões de reais no terceiro trimestre, reduzindo resultado negativo de cerca de 84 milhões registrado em igual período de 2021.

A geração de caixa medida pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ficou em 50,9 milhões de reais entre julho e setembro, revertendo desempenho negativo de 19,5 milhões sofrido um ano antes.

"Nossos resultados seguem registrando os efeitos da recuperação do setor, com crescimento de dois dígitos no Brasil e Argentina nas reservas consumidas, impulsionado em especial pela maior quantidade de embarques durante o mês de julho", afirmou a CVC no balanço.

"As reservas confirmadas também demonstraram um desempenho positivo durante o trimestre, e tiveram crescimento de aproximadamente 35% quando comparadas ao mesmo trimestre do ano anterior."

A empresa acrescentou que segue focada "na gestão da estrutura de capital, avaliando soluções que nos permitam continuar crescendo de maneira sustentável e rentável".

A receita líquida da operadora de viagens subiu 46,6% em 12 meses, para 337,6 milhões de reais. O chamado "take rate", taxa de receita líquida gerada pelas reservas consumidas, dado olhado de perto por analistas, foi de 8%, em comparação a 8,9% na base anual e 7,6% no segundo trimestre de 2022.

Uma alteração no mix de vendas da companhia, com maior participação da operação na Argentina e das vendas a outras empresas de viagens no Brasil, bem como aceleração de retomada de viagens internacionais, prejudicou o take rate no segundo trimestre e gerou questionamentos de analistas. Na ocasião, o próprio presidente da empresa, Leonel Andrade, admitiu que o dado "não foi bom".

O terceiro trimestre da empresa mostrou alta de 34,7% nas reservas confirmadas (novas vendas e reagendamentos menos os cancelamentos) ante o mesmo período do ano passado, enquanto as reservas consumidas, que dão base à receita líquida, saltaram 61,5%.

O balanço foi pressionado pelo aumento do resultado financeiro negativo, que somou 69,2 milhões de reais ante 13,9 milhões um ano antes, diante de aumento nos encargos financeiros pelo aumento dos juros.

A CVC terminou setembro com 402,4 milhões de reais em caixa ante 663,5 milhões no terceiro trimestre de 2021.

A companhia levantou 403 milhões de reais com uma oferta de ações em junho para reforçar seu capital de giro em meio ao crescimento das vendas após impacto da pandemia, e Andrade disse em agosto que o alongamento de dívida era uma prioridade da empresa.

(Por Andre Romani)