Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.937,87
    +1.057,05 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.371,98
    +152,72 (+0,31%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,27
    0,00 (0,00%)
     
  • OURO

    1.866,50
    -1,10 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    43.191,75
    -2.447,36 (-5,36%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.195,01
    -2,91 (-0,24%)
     
  • S&P500

    4.163,29
    -10,56 (-0,25%)
     
  • DOW JONES

    34.327,79
    -54,34 (-0,16%)
     
  • FTSE

    7.032,85
    -10,76 (-0,15%)
     
  • HANG SENG

    28.194,09
    +166,52 (+0,59%)
     
  • NIKKEI

    27.824,83
    -259,67 (-0,92%)
     
  • NASDAQ

    13.300,75
    -2,75 (-0,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4104
    +0,0005 (+0,01%)
     

CVC reduz espaço de 6 prédios na sede em Santo André para só 1

JOANA CUNHA
·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Com o avanço do home office, o espaço dos seis prédios que a CVC mantinha em Santo André, na região metropolitana de São Paulo, será reduzido para apenas um, segundo Leonel Andrade, presidente da companhia. "Vai ficar um só, e mais um na avenida Paulista. Estamos reduzindo para cerca de 30% ou menos do espaço físico. Eu não conheci meu escritório nem vou conhecer, porque ele não existe mais", afirma o executivo. Quando Andrade assumiu o cargo, há um ano, a pandemia já tinha começado e os funcionários já estavam em home office. Os escritórios já foram desmontados, e a CVC pretende partir para um modelo híbrido quando a pandemia passar. A maior parte dos trabalhadores deve frequentar o local apenas duas vezes por semana, sem salas e mesas fixas. Boa parte ficará baseada em casa, e apenas 2% permanecerá o tempo todo no escritório com função operacional, de tecnologia e segurança.