Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.893,32
    -1.682,15 (-1,52%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    41.778,87
    +104,57 (+0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,27
    -0,07 (-0,15%)
     
  • OURO

    1.781,30
    +0,40 (+0,02%)
     
  • BTC-USD

    19.609,83
    +92,56 (+0,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    382,09
    +17,50 (+4,80%)
     
  • S&P500

    3.621,63
    -16,72 (-0,46%)
     
  • DOW JONES

    29.638,64
    -271,73 (-0,91%)
     
  • FTSE

    6.266,19
    -101,39 (-1,59%)
     
  • HANG SENG

    26.341,49
    -553,19 (-2,06%)
     
  • NIKKEI

    26.692,06
    +258,44 (+0,98%)
     
  • NASDAQ

    12.354,75
    +77,75 (+0,63%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3612
    0,0000 (0,00%)
     

Custos crescentes pesam sobre AB InBev, apesar de melhora nas vendas de cerveja

Por Philip Blenkinsop
·2 minuto de leitura

Por Philip Blenkinsop

BRUXELAS (Reuters) - A Anheuser-Busch InBev, maior cervejaria do mundo, suspendeu o pagamento de dividendo e reportou queda no lucro trimestral nesta quinta-feira, conforme a transição para o consumo de bebidas em casa aumentou seus custos.

A fabricante das cervejas Budweiser, Stella Artois e Corona teve um surpreendente aumento nas vendas, mas o lucro caiu ligeiramente depois que a pandemia forçou os consumidores a deixar de beber em bares e restaurantes para comprar mais cerveja em lojas.

Os custos da empresa de produção e envio de mais embalagens, latas e garrafas descartáveis são maiores do que de barris e garrafas de vidro retornáveis usadas em bares e restaurantes.

A segunda maior cervejaria do mundo, Heineken disse na quarta-feira que enfrentou um problema de custo semelhante.

A AB InBev não divulgou uma perspectiva financeira para 2020, mas espera que o segundo semestre do ano seja melhor do que o primeiro, embora a incerteza causada pela pandemia ainda permaneça.

Os volumes gerais de cerveja e refrigerantes aumentaram 1,9% no trimestre encerrado em setembro, após uma queda de 17% no segundo trimestre, levando a um crescimento de 4% na receita, contra expectativas de consenso de queda de 4%.

O melhor desempenho da AB InBev foi no Brasil, o segundo maior mercado da empresa, onde as vendas de cerveja aumentaram 25% em relação ao ano anterior.

O volumes e o lucros também cresceram em seu maior mercado, os Estados Unidos, à medida que suas cervejas premium compensaram o declínio das marcas tradicionais, aumentando sua participação nas vendas nacionais de cerveja.

A empresa também registrou crescimento no México, Europa e China, mas sofreu quedas na Colômbia, onde as medidas de isolamento foram amenizadas apenas em agosto, e na África do Sul, onde as vendas de bebidas alcoólicas foram proibidas por um mês.

Ainda assim, o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (EBITDA) caiu apenas 0,8%, declínio mais brando do que a previsão média de queda de 9,3%, segundo pesquisa compilada pela empresa.

A empresa disse que a incerteza e a volatilidade do mercado significam que não pagaria dividendos intermediários este ano, após um pagamento de 0,80 euro por ação em 2019.

No início deste ano, também reduziu pela metade o dividendo final de 2019 para 0,50 euro.