Custo de vida em SP ainda afeta mais os de menor renda

Os paulistanos de menor poder aquisitivo continuam sendo os mais afetados pela inflação. O Índice de Custo de Vida (ICV) total do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) registrou alta de 0,57% em novembro, enquanto a alta para as famílias mais pobres foi de 0,60%. Apesar disso, a maior desaceleração (de 0,49 ponto porcentual), na comparação com outubro, foi registrada pelo estrato de menor poder aquisitivo. Em outubro, o custo de vida para os paulistanos mais pobres chegou a 1,09%, contra 0,81% no índice total.

Para os paulistanos de nível intermediário e alto de rendimentos, a inflação acompanhou o índice geral, em 0,57% em novembro. Em relação a outubro, a desaceleração foi de 0,37 ponto porcentual no estrato intermediário e de 0,13 ponto porcentual para os mais ricos.

De acordo com o Dieese, o primeiro grupo corresponde à estrutura de gastos de um terço das famílias mais pobres (com renda média de R$ 377,49); e o segundo contempla os gastos das famílias com nível intermediário de rendimento (renda média de R$ 934,17). Já o terceiro reúne as famílias de maior poder aquisitivo (renda média de R$ 2.792,90).

O impacto do aumento na Alimentação foi mais sentido pelas famílias mais pobres. Para este segmento, a inflação dos alimentos contribuiu com 0,39 ponto porcentual para o índice total. Nos segmentos intermediário e alto, a contribuição do grupo no índice foi de 0,32 ponto porcentual e 0,26 ponto porcentual, respectivamente.

O aumento na Saúde, por sua vez, teve maior impacto nas famílias de rendimento mais alto, pois o grupo gasta mais com seguros e convênios médicos, de acordo com o Dieese. Para este segmento, a inflação da Saúde contribuiu com 0,23 ponto porcentual para o índice total. No grupo intermediário, a contribuição da Saúde na inflação foi de 0,17 ponto porcentual. No grupo de famílias mais pobres, a contribuição foi de 0,13 ponto porcentual.

Nos últimos 12 meses, o custo de vida acumula alta de 7,03% para as famílias paulistanas mais pobres, maior do que o índice total (6,48%). Os demais estratos registraram alta de 6,37% no período. No acumulado do ano até novembro, o índice geral acumula alta de 5,95%. Os mais pobres continuam sendo os mais afetados, acumulando alta de 6,47%. O nível intermediário e o de renda mais alta acumulam, respectivamente, 5,80% e 5,88%.

cotações recentes

 
Cotações recentes
Símbolo Preço Variação % Var 
Seus tickers vistos mais recentemente aparecerão aqui automaticamente se você digitou um ticker no campo "Inserir símbolo/empresa" na parte inferior deste módulo.
É necessário permitir os cookies do seu navegador para ver as cotações mais recentes.
 
Entre para ver as cotações nos seus portfólios.

Resumo do Mercado

  • Moedas
    Moedas
    NomePreçoVariação% Variação
    3,1033+0,0144+0,47%
    USDBRL=X
    3,2989+0,0028+0,08%
    EURBRL=X
    0,9404+0,0034+0,36%
    USDEUR=X
  • Commodities
    Commodities
    NomePreçoVariação% Variação

Destaques do Mercado

  • Líderes em Volume
    Líderes em Volume
    NomePreçoVariação% Variação
    15,61-0,25-1,58%
    PETR4.SA
    10,16+0,16+1,60%
    ITSA4.SA
    16,76+0,46+2,82%
    LAME4.SA
    32,25+0,40+1,26%
    VALE5.SA
    9,15+0,35+3,98%
    RUMO3.SA
  • Altas %
    Altas %
    NomePreçoVariação% Variação
    3,30+0,52+18,71%
    TXRX4.SA
    3,75+0,49+15,03%
    TPIS3.SA
    4,49+0,52+13,10%
    INEP4.SA
    4,42+0,47+11,90%
    LFFE3.SA
    2,30+0,24+11,65%
    STBP3.SA
  • Baixas %
    Baixas %
    NomePreçoVariação% Variação
    0,35-0,24-40,68%
    PFRM1.SA
    0,55-0,30-35,29%
    SULT3.SA
    5,20-1,05-16,80%
    TOYB3.SA
    2,06-0,32-13,45%
    MYPK11.SA
    3,80-0,58-13,24%
    LFFE4.SA