Mercado abrirá em 3 h 39 min
  • BOVESPA

    109.401,41
    -2.522,52 (-2,25%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.799,46
    -434,91 (-0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,24
    +0,31 (+0,40%)
     
  • OURO

    1.784,00
    +2,70 (+0,15%)
     
  • BTC-USD

    17.027,04
    -297,03 (-1,71%)
     
  • CMC Crypto 200

    402,18
    -9,04 (-2,20%)
     
  • S&P500

    3.998,84
    -72,86 (-1,79%)
     
  • DOW JONES

    33.947,10
    -482,78 (-1,40%)
     
  • FTSE

    7.559,94
    -7,60 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    19.401,86
    -116,43 (-0,60%)
     
  • NIKKEI

    27.885,87
    +65,47 (+0,24%)
     
  • NASDAQ

    11.816,50
    +10,75 (+0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5314
    -0,0020 (-0,04%)
     

Custo da pandemia pode exceder os 4 trilhões de dólares

Pedestre passa por painéis de cotação, em Tóquio (AFP)

O impacto da pandemia de coronavírus na economia mundial pode atingir entre 2 e 4,1 trilhões de dólares, ou seja, entre 2,3% e 4,8% do Produto Interno Bruto (PIB), afirmou nesta sexta-feira (3) o Banco Asiático de Desenvolvimento (ADB).

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

É uma estimativa que poderia ser maior, porque não inclui "possíveis crises sociais e financeiras, nem os efeitos a longo prazo sobre os sistemas de saúde e educação" da pandemia, segundo a organização, com sede em Manila (Filipinas).

Leia também

Na quinta-feira, o número de pessoas infectadas passou de um milhão no planeta, com mais de 52.000 mortes.

Segundo o ADB, o crescimento na Ásia deve atingir 2,2% este ano, seu ritmo mais lento desde 1998, quando não passou de 1,7% devido à crise financeira no continente.

"Ninguém pode prever a amplitude da propagação da pandemia da COVID-19 nem sua duração", afirmou Yasuyuki Sawada, economista responsável do Banco Asiático de Desenvolvimento (ADB).

"Não se pode descartar a possibilidade de uma grave crise financeira ", acrescentou.

As previsões apostam que a epidemia será controlada este ano e que a normalidade voltará em 2021.

No entanto, uma nova onda de infecções não é descartada e sua gravidade é desconhecida.

"Os resultados podem ser piores do que o previsto e o crescimento pode não se recuperar tão rapidamente", alertou o banco.

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.