Mercado fechará em 3 h 43 min
  • BOVESPA

    114.002,00
    +2.818,05 (+2,53%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.541,98
    +164,51 (+0,35%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,33
    +3,05 (+4,98%)
     
  • OURO

    1.719,60
    +3,80 (+0,22%)
     
  • BTC-USD

    49.561,52
    -1.194,18 (-2,35%)
     
  • CMC Crypto 200

    994,54
    +7,33 (+0,74%)
     
  • S&P500

    3.817,76
    -1,96 (-0,05%)
     
  • DOW JONES

    31.273,14
    +3,05 (+0,01%)
     
  • FTSE

    6.657,92
    -17,55 (-0,26%)
     
  • HANG SENG

    29.236,79
    -643,63 (-2,15%)
     
  • NIKKEI

    28.930,11
    -628,99 (-2,13%)
     
  • NASDAQ

    12.739,00
    +57,25 (+0,45%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7174
    -0,0613 (-0,90%)
     

Custo de frete agrava impacto da pandemia em transporte marítimo

Brendan Murray, Ann Koh e Richard Weiss
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O aumento das taxas de frete e atrasos nas entregas levam a uma reação global de empresas frustradas com a combinação destrutiva de serviço em deterioração e custos de transporte marítimo mais altos.

Associações de comércio na China destacaram preocupações antitruste ao governo, enquanto pressão semelhante ferve em Bruxelas, onde o European Shippers’ Council solicitou à Comissão Europeia que aborde os “aumentos de preços ultrajantes” por parte dos transportadores de carga. Em Washington, o maior grupo de lobby de varejistas quer que as autoridades examinem as regras do mercado.

Os problemas nos Estados Unidos vão além dos custos: portos sobrecarregados e escassez de contêineres ao longo das principais rotas transpacíficas causam atrasos e perda de negócios para exportadores. Algumas redes de lojas e fabricantes - que dependem de linhas de abastecimento internacionais - estão sendo forçadas a cortar outras despesas ou repensar essa estratégia por completo.

Empresas americanas como Colgate-Palmolive e a marca de calçados Boot Barn - e outras na Europa e na Ásia - destacaram os problemas de oferta nos últimos dias. A Comissão Marítima Federal iniciou uma consulta no final do ano passado sobre congestionamento portuário, mas os gargalos persistem rumo ao pico sazonal antes do Ano Novo Chinês, em meados de fevereiro.

“Nossos custos de frete provavelmente serão um ponto de pressão para os próximos, talvez, três ou seis meses”, disse na semana passada Greg Hackman, diretor de operações da Boot Barn, com sede na Califórnia, citando como o congestionamento dos portos tem afetado os estoques.

Com os negócios já atingidos pela pandemia, questões logísticas podem ser demais para algumas empresas. Essa foi visão transmitida por Stefan Pierer, CEO da Pierer Mobility, fabricante austríaca das motocicletas KTM, em teleconferência em 1º de fevereiro com analistas.

“Se você for ativo, flexível, corajoso e tiver as conexões certas, pode lidar com isso”, disse. “Mas nem todo mundo pode lidar com isso - isso eu posso dizer.”

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.