Mercado abrirá em 8 h 44 min

Universidade do Prazer: cursos online sobre sexualidade bombam na quarentena

Elisa Soupin
·3 minuto de leitura
Women reproductive system. Online School Sexuality Education Program. Guide, self-study video lesson. Safe Sex education for teens, teenagers. Vector illustration doodles, line art style design
Cursos online sobre sexualidade bombam na quarentena. Foto: Getty Images

Durante a quarentena, dentro de casa, muita gente resolveu investir nos estudos e usar o tempo para dar aquela turbinada no currículo com um curso online. Em março deste ano, as buscas por ensino à distância dispararam no Google e, quando se fala de sexualidade, não foi diferente: são muitos os que vêm procurando cursos relacionados ao prazer durante a quarentena. Solteiros, casados, pessoas que atuam ou não no ramo do sexo: todo mundo tem alguma coisa para aprender na Universidade do Prazer, iniciativa do Mercado Erótico, plataforma que busca reunir conhecimento e trazer as novidades do mercado para o Brasil.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Entre as possibilidades de “matérias” estão conhecimentos básicos desde Como Usar um vibrador, passando por Curso de Culinária Afrodisíaca, Massagem Tântrica, Tudo sobre sexo anal até Workshop de dominação feminina.

Veja também

“A Universidade do Prazer é voltada a todas as pessoas que queiram ampliar seu repertório sexual, com conteúdos voltados à sexualidade de forma geral. Em abril, antecipamos o projeto da Universidade do Prazer que estava previsto só para junho em função da pandemia. Atualmente estamos avaliando mais de 30 novos cursos para integrar a plataforma”, conta Julianna Santos, sócia de Paula Aguiar na empreitada, que viu um boom no interesse logo durante o lançamento.

As aulas são disponibilizadas em vídeo, divididas em capítulos e temas, e os preços variam entre R$ 449,90 e R$ 399 e a maioria das interessadas é composta por mulheres.

Dever de casa que ninguém reclama

Em todas as matérias, são sugeridas tarefas que devem ser cumpridas para fixar o conteúdo (e alguém vai reclamar?) e colocar os conhecimentos técnicos adquiridos em prática.

“Todos os cursos sugerem exercícios para serem feitos em casa, visto que a sexualidade é algo corporal e sensorial, não apenas racional. Os ensinamentos precisam ser praticados para que os alunos conquistem resultados. Por exemplo, o curso de massagem tântrica é 100% pratico, as manobras e exercícios de respiração são explicados em passo a passo, assim como o de sexo anal e do jantar afrodisíaco”, explica Julianna, que conta que, desde o lançamento, o curso de Massagem Tântrica é o mais procurado.

Mas a necessidade de praticar não quer dizer que você precise estar acompanhado: explorar o próprio corpo é muito indicado. “Casados estão em busca de criatividade para melhorar a performance, já os solteiros querem aproveitar esse tempo para conhecer seus próprios corpos e aprender técnicas que possam impressionar na retomada”, diz Julianna.

Formação profissional

A dominatrix Mistress Amy atua há um ano e meio no ramo do BDSM, mas fazia a coisa de maneira amadora. “Eu já queria fazer um curso presencial. Só tinha o conhecimento de internet, queria algo que me desse mais confiança para praticar, eu não tinha segurança sobre muitas práticas e buscava técnica”, conta ela, que buscou o Workshop de Dominação.

O curso explica desde o conceito de BDSM, até a psicologia da relação dor e prazer, fetichismo, o conceito de dominação, dominação de si mesma, jogos de poder, jogos sensoriais, saúde psicológica, previsão de comportamento, persuasão, gatilhos mentais. O conteúdo é amplo e diversificado.

Amy gostou bastante do curso e acredita que tenha encontrado o que procurava. “Tem bastante reflexão, muita coisa que você pode levar para a sua vida pessoal mesmo. Nunca tinha visto vários dos conteúdos, técnicas de prática, de como fazer”, diz ela, que conta que reviu alguns capítulos e estudou bastante.

“Eu nunca fui adepta de curso online, queria fazer o normal, mas, com a quarentena, resolvi tentar. Levei um mês para fazer e tem um grupo com todas as meninas que fazem o curso, para trocar ideia, tirar várias dúvidas, abordar temas”, diz, satisfeita.

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube