Mercado abrirá em 49 mins
  • BOVESPA

    112.291,59
    +413,06 (+0,37%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.934,21
    +259,38 (+0,59%)
     
  • PETROLEO CRU

    46,29
    +0,65 (+1,42%)
     
  • OURO

    1.843,80
    +2,70 (+0,15%)
     
  • BTC-USD

    19.042,60
    -214,99 (-1,12%)
     
  • CMC Crypto 200

    373,92
    -0,49 (-0,13%)
     
  • S&P500

    3.666,72
    -2,29 (-0,06%)
     
  • DOW JONES

    29.969,52
    +85,73 (+0,29%)
     
  • FTSE

    6.551,77
    +61,50 (+0,95%)
     
  • HANG SENG

    26.835,92
    +107,42 (+0,40%)
     
  • NIKKEI

    26.751,24
    -58,13 (-0,22%)
     
  • NASDAQ

    12.511,00
    +48,75 (+0,39%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2507
    +0,0147 (+0,24%)
     

Curados de Covid mantêm imunidade por 6 meses, mostra estudo

Marthe Fourcade
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Um tipo crucial de célula sanguínea defensiva persiste por pelo menos seis meses em pessoas que foram curadas da Covid-19, mesmo aquelas que não apresentavam sintomas. É o que mostra um novo estudo que pode diminuir a preocupação sobre a imunidade e suas implicações para uma vacina.

A pesquisa realizada com 100 pessoas mostra que todas tiveram respostas de células T contra uma gama de proteínas do coronavírus, incluindo a proteína spike usada como um marcador em muitos estudos de vacinas, após meio ano. Aqueles que apresentaram sintomas tiveram níveis pelo menos 50% mais altos do que aqueles assintomáticos.

À medida que algumas vacinas se aproximam da linha de chegada na corrida por um imunizante, ainda não está claro quanto tempo duraria a proteção oferecida. Um pequeno número de pacientes adoeceu de Covid-19 duas vezes.

“Esta é uma notícia promissora”, disse Fiona Watt, presidente executiva Conselho de Pesquisa Médica do Reino Unido. “Se a infecção natural com o vírus pode provocar uma resposta robusta de células T, então isso pode significar que uma vacina poderia fazer o mesmo.”

Um estudo anterior, publicado no mês passado pelo Imperial College de Londres levantou a preocupação de que as defesas imunológicas possam diminuir, uma vez que mostrou que a porcentagem de britânicos com anticorpos diminuiu com o tempo.

As células T não são anticorpos. Elas são glóbulos brancos que podem se lembrar de doenças passadas, matar células infectadas por vírus e despertar anticorpos para as defesas de comando quando necessário. Pessoas infectadas com outro coronavírus responsável pela epidemia de SARS em 2003, por exemplo, ainda apresentam resposta de células T à doença 17 anos depois.

O estudo, feito por um grupo de imunologistas de 17 universidades chamado Consórcio de Imunologia de Coronavírus do Reino Unido, ainda não foi revisado por pares. Ele pode ser o primeiro a mostrar que uma memória celular robusta contra o vírus persiste por esse período de tempo, disseram os autores.

Nenhum dos pacientes cujas amostras de sangue e soro foram estudadas havia sido hospitalizado com Covid-19.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.