Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,91 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,95 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,51
    +1,69 (+2,65%)
     
  • OURO

    1.844,00
    +20,00 (+1,10%)
     
  • BTC-USD

    48.091,88
    -2.568,70 (-5,07%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,33
    +39,77 (+2,93%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,68 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.398,00
    +297,75 (+2,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4040
    -0,0085 (-0,13%)
     

É seguro dormir com absorvente interno? Veja cuidados necessários

Colaboradores Yahoo Vida e Estilo
·2 minuto de leitura
Menstrual period concept. Woman hygiene protection. Cotton tampons on pink background. Top view, flat lay.
É seguro dormir com absorvente interno? Foto: Getty Images

Talvez você escolha dormir com o absorvente interno por considerá-lo confortável e mais confiável para usar na cama, já que as chances de vazamento durante o período menstrual são menores.

O produto faz parte da rotina das brasileiras e, diferentemente das primeiras versões criadas, já conta com materiais antibactericidas na composição e tamanhos variados para ajustar ao fluxo de cada mulher.

Leia também

Mas embora seja seguro e existam versões que possibilitam o uso por mais tempo, o dispositivo noturno ainda deve ser trocado em no máximo oito horas – para o tipo comum, o tempo ideal é de quatro horas.

“O maior risco em dormir com o absorvente interno é o esquecimento. Se a mulher vai para uma festa, por exemplo, e volta cansada, sem hora para acordar no dia seguinte, é provável que não troque no tempo desejado”, aponta a médica Fernanda Torras, que atua como ginecologista e obstetra no Hospital Israelita Albert Einstein.

Outra causa de não se lembrar da existência do dispositivo é perder o fio de retirada. “Ele pode sumir e, se estiver com fluxo de menstruação baixo, a mulher não vai senti-lo no organismo”, aponta a médica.

Close up of a woman's hands which are holding a tampon.
Quando corretamente inserido, o absorvente interno não causa qualquer desconforto, e por isso, se o cordão some, há o risco de esquecimento. Foto: Getty Images

Riscos em esquecer-se de trocar o absorvente interno

De acordo com Torras, o uso inadequado pode causar síndromes infecciosas por fungos ou bactérias.

Nas primeiras 24 horas, o sintoma mais provável é o odor vaginal.

Se mais dias passam sem que a mulher se lembre do absorvente, o perigo é que ocorra a chamada “síndrome do choque tóxico”.

“Mesmo depois de retirar o absorvente, febre, náusea, vomito, bactérias que podem causar choque séptico. Foi muito relatada com o uso do dispositivo há alguns anos, quando o material não era tão protetor, mas hoje é rara”, diz Torras.

Quando o uso de absorvente interno não é recomendado

Mulheres com infecções vaginais como candidíase e vaginose bacteriana devem evitar o uso de absorventes internos – seja de dia ou de noite – até que a infecção esteja tratada.

“O uso pode causar desconforto, aumentando os sintomas, ou dificultar a resolução do quadro clínico”, explica Ilza Monteiro, ginecologista e professora da UNICAMP (Universidade Estadual de Campinas).

Está em duvida? Há outras opções

Se você não está totalmente segura de que a memória não vai falhar em lembrar-se da troca, o melhor é usar outros métodos para conter a menstruação.

As opções são o absorvente noturno comum – que você verá quando for ao banheiro – e o coletor menstrual.

“O coletor pode ser usado por até 12 horas e dificilmente será esquecido porque não fica tão escondido. Além disso, se encher demais, ele extravasa”, indica Torras.