Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.812,87
    +105,11 (+0,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.729,80
    -4,24 (-0,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    90,75
    +0,25 (+0,28%)
     
  • OURO

    1.772,20
    +1,00 (+0,06%)
     
  • BTC-USD

    23.230,34
    -130,80 (-0,56%)
     
  • CMC Crypto 200

    558,74
    +1,01 (+0,18%)
     
  • S&P500

    4.283,74
    +9,70 (+0,23%)
     
  • DOW JONES

    33.999,04
    +18,72 (+0,06%)
     
  • FTSE

    7.541,85
    +26,10 (+0,35%)
     
  • HANG SENG

    19.763,91
    -158,54 (-0,80%)
     
  • NIKKEI

    28.942,14
    -280,63 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    13.519,75
    -3,50 (-0,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2349
    +0,0211 (+0,40%)
     

Cuidado! Há chance de um foguete reentrar na atmosfera e atingir alguém

Um novo estudo liderado por Michael Byers, professor da Universidade da Colúmbia Britânica, sugere que há 10% de chances de um foguete descontrolado reentrar na atmosfera e atingir fatalmente uma pessoa. A estimativa vale para a próxima década caso as práticas atuais da indústria espacial sejam mantidas e, embora não seja tão alta, fica significativamente maior em algumas regiões do planeta.

Quando um foguete é lançado, ele vai liberando peso aos poucos conforme consome combustível em seus estágios, que são descartados. Alguns ejetam os propulsores em direção ao oceano antes de chegar à órbita, enquanto outros mantêm seus estágios usados em órbita mesmo após o lançamento. Para o estudo, Byers e seus colegas focaram neste último cenário.

Eles analisaram os últimos 30 anos de lançamentos de foguetes, e descobriram que Jakarta, Cidade do México e Lagos (na Indonésia, México e Nigéria, respectivamente) têm pelo menos três vezes mais chances de ver componentes de foguetes reentrando descontroladamente sobre suas regiões, em comparação com Washington e Nova York.

No ano passado, um estágio de um foguete Long March 5B, da China, reentrou descontroladamente na atmosfera (Imagem: Reprodução/CGTN)
No ano passado, um estágio de um foguete Long March 5B, da China, reentrou descontroladamente na atmosfera (Imagem: Reprodução/CGTN)

“O risco no nível individual é muito, muito pequeno, mas se você vive em uma cidade de alta densidade populacional a 30º na latitude norte, isso deveria ser uma preocupação maior para você”, explicou ele. É que grande parte dos objetos que realizam reentradas descontroladas vem de foguetes lançando cargas em órbitas geossíncronas, que acompanham o equador da Terra.

Assim, em função da densidade populacional nas cidades a esta latitude ao norte do equador, o risco fica ainda mais significativo — mas poderia desaparecer se os governos exigissem mudanças que fossem adotadas pela indústria espacial. O artigo relembra que acordos internacionais podem ajudar, como já aconteceu antes: o Protocolo de Montreal, por exemplo, teve papel essencial para reduzir as emissões de substâncias nocivas para a camada de ozônio, usadas em sistemas de ar condicionado e geladeiras.

A boa notícia é que, ao que tudo indica, a indústria espacial já começou a se adaptar a práticas mais cautelosas. “A prática comum ainda é dizer 'ah, que pena, vamos manter o estágio do foguete na órbita de geotransferência e deixá-lo reentrar descontroladamente’, e isso está começando a mudar principalmente nos Estados Unidos”, observou Jonathan McDowell, astrofísico da Universidade de Harvard. “A prática geral na aviação é maximizar a segurança, e acreditamos que isso também deveria se aplicar a lançamentos espaciais”, finalizou Byers.

O artigo com os resultados do estudo foi publicado na revista Nature.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos