Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.971,03
    +1.092,50 (+0,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.912,46
    +237,63 (+0,54%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,78
    +0,50 (+1,10%)
     
  • OURO

    1.843,40
    +13,20 (+0,72%)
     
  • BTC-USD

    19.420,55
    +471,65 (+2,49%)
     
  • CMC Crypto 200

    381,60
    +7,20 (+1,92%)
     
  • S&P500

    3.681,11
    +12,10 (+0,33%)
     
  • DOW JONES

    30.095,58
    +211,79 (+0,71%)
     
  • FTSE

    6.490,27
    +26,88 (+0,42%)
     
  • HANG SENG

    26.728,50
    +195,92 (+0,74%)
     
  • NIKKEI

    26.809,37
    +8,39 (+0,03%)
     
  • NASDAQ

    12.501,00
    +46,75 (+0,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2326
    -0,0872 (-1,38%)
     

Cuidado com seu login: mais de 5 bilhões de credenciais já vazaram em 2020

Ramon de Souza
·2 minuto de leitura

O ano de 2020 está realmente longe de ser divertido — além das diversas catástrofes registradas ao longo dos últimos meses, tudo indica que o início da nova década vai entrar para a história pelo altíssimo número de credenciais vazadas na web. Segundo o dfndr lab, laboratório de pesquisas da empresa brasileira de segurança PSafe, foram mais de 5 bilhões de informações de login (e-mail e senha) expostas desde janeiro até agora.

Desse montante, a maioria (cerca de 4 milhões) referem-se a credenciais para plataformas de e-mail pessoal, como Gmail e Outlook; já o restante (aproximadamente 900 milhões) são informações de login para contas corporativas em ferramentas profissionais. Com isso, os riscos de tais exposições indevidas de dados abrangem tanto a esfera de pessoas físicas quanto a de pessoas jurídicas.

“Quando uma credencial é vazada isso permite que o cibercriminoso tenha acesso às contas que possuem o mesmo e-mail e senha que a vazada. Ou seja, se a senha que uma pessoa usa em um determinado site é vazada e ela também é utilizada no email, o hacker é capaz de mudar a senha e gerenciar todas as contas daquela vítima”, explica Emilio Simoni, diretor de pesquisas do dfndr lab.

Vazamento podem servir como brecha para golpes elaborados

Simoni relembra também que a exposição abre precedentes para crimes ainda mais elaborados, incluindo falsificação ideológica. “Dentre os crimes mais comuns vistos estão a assinatura indevida de serviços, abertura de contas e fraudes financeiras, já que o cibercriminoso pode ainda ter acesso às contas bancárias”, aponta o executivo.

O laboratório afirma ser dono de um banco de dados contendo 10 bilhões de registros vazados, o maior da América Latina. Tal catálogo é oferecido em um serviço que possibilita a indivíduos e empresas a descobrirem se suas credenciais foram expostas em algum vazamento, incentivando assim que a vítima adote medidas proativas para garantir a proteção de seus dados pessoais.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: