Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,05 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,35 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +2,45 (+3,84%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    49.151,14
    +282,34 (+0,58%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,16 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,51 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    +197,50 (+1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7780
    -0,0079 (-0,12%)
     

Cuiabá bate o Paraná em Curitiba e fica a um ponto da Série A

Futebol Latino
·3 minuto de leitura


Quebrando o jejum de três rodadas sem vencer como visitante na Série B, o Cuiabá obteve uma fundamental vitória por 2 a 0 sobre o Paraná na Vila Capanema. Isso porque, agora, a equipe de Allan Aal precisa de apenas um ponto para matematicamente disputar a Série A no segundo semestre de 2021 por acumular 61 pontos na terceira posição, seis a mais do que o quinto colocado Juventude.

Por sua vez, o resultado foi absolutamente desastroso para os donos da casa que viram o cenário de fuga do rebaixamento ficar bem complicado. Em 18° colocado parado nos 36 pontos, a equipe paranista já acumula três pontos para o primeiro fora da zona da degola (Náutico) sendo que a distância pode aumentar na sequência da rodada.

ASSUMIU O CONTROLE E O PLACAR

Apesar da primeira oportunidade perigosa da partida ter saído dos pés do Tricolor da Vila, quem notoriamente aos poucos conseguiu ler melhor a partida e assumir as ações ofensivas da partida foi a equipe cuiabana. Tendo cada vez mais a presença no ataque tanto na pressão pós-perda como na saída de bola paranista, os dirigidos por Allan Aal se aproximavam da abertura do placar que aconteceu com Elvis, na infiltração, tendo relativa liberdade para testar no canto oposto de Renan.

DIFICULDADE NOTÓRIA

Tendo a necessidade de sair para o jogo aumentada, o time da casa se deparou fortemente com um problema de lentidão quando conseguia retomar a posse de bola. Assim, mesmo que o Dourado não tivesse o absoluto controle das ações e dominasse a partida na base do volume, não tinha muito trabalho na recomposição e conseguia manter o Paraná bem distante de criar maiores problemas a meta defendida por João Carlos durante praticamente toda a sequência da etapa inicial.

Paraná x Cuiabá
Paraná x Cuiabá

Confronto entre Paraná e Cuiabá na Vila Capanema (AssCom Dourado)

INVESTIDA MORTAL

Apesar do aumento de ritmo na questão da movimentação das duas equipes na segunda metade do confronto, a clara impressão passada foi de que os times tiveram mais mobilidade do que, efetivamente, oportunidades claras de gol de ambos os lados.

Com isso, apesar de João Carlos e Renan terem trabalhado ao menos uma vez nesse período em batidas fortes vindas de dentro da grande área, quem conseguiu a chegada aguda e foi capaz de converter foi Yago. Depois de passe muito bem colocado em profundidade por Matheus Barbosa, o atacante invadiu a grande área e teve tranquilidade para dar uma "cavadinha" que encobriu o arqueiro do Paraná.

FICHA TÉCNICA
PARANÁ 0 x 2 CUIABÁ - 36ª RODADA DA SÉRIE B

Estádio: Vila Capanema, em Curitiba (PR)
Data e horário: 19 de janeiro de 2021, às 21h30
Árbitro: Bruno Arleu de Araújo (RJ)
Assistentes: Thiago Henrique Neto Correa Farinha (RJ) e Silbert Faria Sisquim (RJ)
Gramado: Bom
Cartões amarelos: Renan Bressan (PAR) / Romário, Auremir (CUI)
Cartões vermelhos:

GOLS: Elvis (15'/1°T) (1-0), Yago (28'/2°T) (2-0)

PARANÁ (Técnico: Márcio Coelho)

Renan; Paulo Henrique, Rafael Lima, Philipe Maia e Jean; Karl, Higor Meritão (Kaio, aos 21'/2°T), Renan Bressan e Juninho (Andrew, no intervalo); Bruno Lopes e Gabriel Pires (Guilherme Biteco, no intervalo).

CUIABÁ (Técnico: Allan Aal)

João Carlos; Lucas Ramon, Ednei, Anderson Conceição e Romário; Auremir, Rafael Gava (Nenê Bonilha, aos 34'/2°T) e Elvis (Matheus Barbosa, aos 22'/2°T); Felipe Marques (Williams Santana, aos 15'/2°T), Marcinho (Yago, aos 15'/2°T) e Jenison (Felipe Ferreira, aos 35'/2°T).