Mercado fechado

Cuba determina o retorno de 725 enviados à Bolívia; maioria são médicos

Valor

Ministra das Relações Exteriores da Bolívia, Karen Longaric declarou que a saída dos profissionais cubanos é oportuna e necessária Em meio às tensões políticas na Bolívia, com militares nas ruas e intensos confrontos entre defensores e opositores do ex-presidente Evo Morales, o governo de Cuba determinou a volta de 725 enviados que trabalhavam no país, de acordo com o jornal boliviano “El Deber”.

A medida deve agravar a crise social na Bolívia, já que a maioria dos profissionais de cooperação cubanos é composta por médicos que, assim como no Brasil, praticam medicina preventiva em regiões pobres do país. No grupo também há professores e outros profissionais.

“Acredito ser oportuna e necessária a saída e acredito que isto também vai permitir um tratamento respeitoso como sempre houve entre Cuba e Bolívia”, declarou a ministra das Relações Exteriores da Bolívia, Karen Longaric, segundo o jornal.