Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,91 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,62 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    +2,79 (+2,68%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    21.326,05
    +291,24 (+1,38%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,32 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,19 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,72 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    +395,25 (+3,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5524
    +0,0407 (+0,74%)
     

CSD BR planeja maior concorrência com B3, após nova instrução da CVM

(Retira cópia de matéria publicada na véspera)

SÃO PAULO (Reuters) -A registradora de ativos CSD BR planeja ampliar suas operações nos próximos meses para incluir mais negócios como liquidação e depósito, o que deve aumentar a concorrência com a B3, disse o presidente e fundador da companhia.

Em operação desde 2020, a CSD se apresenta como registradora de ativos complexos e de menor liquidez como CDBs, contratos a termo de moedas (NDFs) e swaps cambiais. Desde então, incluiu também apólices de seguro e gravames, nicho liderado pela antiga Cetip, que hoje faz parte da B3.

Criada em 2018 tendo como sócios membros das famílias controladoras de Gerdau e Suzano, entre outras, a CSD BR no começo deste ano passou a ter como investidores minoritários o BTG Pactual e a corretora de seguros do Santander Brasil.

Atualmente, a CSD BR afirma ter cerca de 23 bilhões de reais em ativos registrados. Em outra frente, a plataforma espera receber nos próximos meses de Banco Central e Comissão de Valores Mobiliários (CVM) licenças para operações de liquidação e depósito de ativos, também atividades exercidas pela operadora brasileira de bolsa.

Agora, com a atualização de regras sobre negociação de ativos em mercados regulados, divulgada pela CVM na última sexta-feira, as condições para uma concorrência mais aberta por parte das plataformas ficam mais claras, disse o fundador e presidente da CSD BR, Edivar Queiroz Filho.

"As regras sobre interoperabilidade entre mercados são um sinal monstruoso de que o regulador está aberto para que concorrentes ofereçam serviços", disse Queiroz à Reuters, embora tenha frisado que a CSD BR por ora não prevê operar com ações.

Além da interoperabilidade, a Instrução 461 atualizada reitera que cada plataforma deve ter seu próprio aparato de autorregulação, em vez de concentrar tudo na BSM, da B3. O arcabouço também abre caminho para que a negociação de grandes lotes de ações ocorra em ambientes fora da B3.

A CVM ainda sinalizou que deve voltar ao tema da internalização de ordens, o que na prática permite que negócios entre participantes numa registradora ocorram fora do ambiente de bolsa.

(Por Aluísio Alves)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos