Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,54 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,81
    +0,19 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.812,50
    -18,70 (-1,02%)
     
  • BTC-USD

    41.827,93
    +3.159,57 (+8,17%)
     
  • CMC Crypto 200

    955,03
    +5,13 (+0,54%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,06 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.032,30
    -46,12 (-0,65%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,29 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.966,50
    -71,25 (-0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1880
    +0,1475 (+2,44%)
     

Cruzeiros são retomados com não vacinados em ‘segunda classe’

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O “Freedom of the Seas” da Royal Caribbean, com capacidade para 4.275 passageiros, reiniciou as viagens de Miami às Bahamas com duas classes de passageiros a bordo: aqueles que foram vacinados contra a Covid-19 e os que não foram. Os vacinados, identificados com pulseiras especiais, têm acesso completo aos serviços do navio; os que não estão protegidos contra o coronavírus não podem nem entrar no sushi bar, cassino ou spa.

O Freedom é o primeiro navio a deixar os Estados Unidos sem necessidade de vacinação e também o primeiro a sair de Miami, a capital dos cruzeiros do país. Apesar de toda a influência da cidade no setor de cruzeiros, também provou ser um lugar difícil para a retomada dos negócios, visto que o governador da Flórida, Ron DeSantis, barrou empresas de exigirem cartões de vacinação.

“A experiência dos cruzeiros se beneficia de ser improvisada”, diz Jukka Laitamaki, especialista em marketing de turismo e professor da Escola de Estudos Profissionais da NYU Jonathan M. Tisch Center of Hospitality. Os viajantes de cruzeiros são normalmente livres para ir onde quiserem, fazer o que quiserem, além de amigos. Mas os passageiros não vacinados do Freedom acharão isso muito restrito.

“O pior pesadelo das empresas de cruzeiros é ter áreas separadas para vacinados e não vacinados”, diz Laitamaki.

O sistema se mostrou necessário. Mesmo em cruzeiros com requisitos rigorosos de vacinação contra a Covid-19 para adultos, os problemas já surgiram. No final de junho, a Royal teve que pagar para repatriar dois adolescentes não vacinados com testes positivos - e suas famílias - das Bahamas. A linha de cruzeiros Celebrity também teve um incidente com dois viajantes assintomáticos com teste positivo em um cruzeiro em St. Maarten. Lembrete: mesmo pessoas vacinadas podem contagiar com o coronavírus.

Sistema de duas classes

As regras do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos para empresas de cruzeiros exigem filas para impor o uso de máscaras e distanciamento social quando viajantes não vacinados estão a bordo. Mas as empresas tentam ser discretas quanto aos pontos mais delicados.

A lista de restrições da Royal Caribbean para o Freedom, publicada em meados de junho, é longa. É aplicada a todas as viagens do navio em julho - e provavelmente a quatro outros navios que a linha planeja enviar a partir da Flórida no verão do hemisfério norte, com capacidade para até 6.680 passageiros.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos