Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.927,79
    +1.397,79 (+1,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.744,92
    -185,48 (-0,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,27
    +2,15 (+2,62%)
     
  • OURO

    1.817,30
    -4,10 (-0,23%)
     
  • BTC-USD

    42.907,48
    -576,81 (-1,33%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.037,76
    +12,03 (+1,17%)
     
  • S&P500

    4.662,85
    +3,82 (+0,08%)
     
  • DOW JONES

    35.911,81
    -201,79 (-0,56%)
     
  • FTSE

    7.542,95
    -20,90 (-0,28%)
     
  • HANG SENG

    24.383,32
    -46,48 (-0,19%)
     
  • NIKKEI

    28.124,28
    -364,82 (-1,28%)
     
  • NASDAQ

    15.616,75
    +126,50 (+0,82%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3174
    -0,0154 (-0,24%)
     

Cruz da morte no Bitcoin indica que mercado pode cair mais

·2 min de leitura
Moeda de bitcoin sobre a terra com sombra de uma cruz
Moeda de bitcoin sobre a terra com sombra de uma cruz

A queda do Bitcoin nos últimos dois meses já fez o mercado de criptomoedas perder U$ 1 trilhão. Apesar disso, a formação da cruz da morte, ou death cross em inglês, pode derrubar ainda mais o bitcoin e demais criptomoedas.

O padrão cruz da morte acontece quando as médias móveis de 50 e 200 dias se cruzam, mostrando um desinteresse do mercado pelo ativo. O padrão foi visto pela última vez em junho, quando o BTC caiu 22% em três dias.

Já o padrão inverso é chamado de cruz dourada, ou golden cross, sendo observado que a média de preço dos últimos 50 dias rompeu a média dos últimos 200 para cima, ou seja, o ativo está perfomando bem nos últimos meses.

Cruz da morte

As médias móveis, como o nome sugere, são as médias de preço de um determinado período e servem como indicação de como um ativo está se comportando em determinado período. Desta forma, ao usarmos o gráfico diário, a média móvel de 50 nos dá uma visão geral dos últimos dois meses, já a de 200 nos mostra os últimos sete meses.

Com isso podemos ter um panorama sobre a demanda, ou falta dela, de um determinado ativo. Marcada pela passagem da média móvel de 50 pela de 200, a famosa cruz da morte mostra que o interesse no Bitcoin está caindo e que podemos estar entrando em um mercado de baixa.

Padrão cruz da morte no Bitcoin
Padrão cruz da morte no Bitcoin. Fonte: Tradingview

Apesar de uma cruz da morte ter sido vista em junho do ano passado, o Bitcoin ficou pouco tempo em queda, cerca de 30 dias. Quanto a seu preço, a queda também foi menor que o previsto, já que o BTC perdeu apenas 22% de seu valor. Pouco depois, uma cruz dourada foi formada e levou o BTC a sua máxima histórica.

Cruz dourada

Já o movimento contrário, quando a média móvel de 50 rompe a de 200 para cima, indica que o mercado está animado. A última vez que foi vista, em setembro do ano passado, foi seguida por uma valorização de 50%, fazendo o bitcoin chegar aos 69 mil dólares.

Apesar disso, a cruz dourada que mais teve impacto aconteceu em maio de 2020. Após sua formação o Bitcoin entrou em um mercado de alta que durou cerca de um ano, valorizando mais de 600% no período.

Padrão cruz dourada no Bitcoin
Padrão cruz dourada no Bitcoin. Fonte: Tradingview

Já a cruz da morte mais lembrada, ocorreu em 2018 quando o BTC também passou cerca de um ano em baixa. Ou seja, embora a última formação deste tipo tenha sido revertida em pouco tempo, é preciso tomar cuidado, afinal podemos entrar entrando em um “inverno das criptomoedas”, com um mercado desanimado.

Fonte: Livecoins

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos