Mercado abrirá em 1 h 54 min
  • BOVESPA

    108.843,74
    -2.595,62 (-2,33%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.557,65
    -750,06 (-1,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,12
    +0,83 (+1,18%)
     
  • OURO

    1.767,00
    +3,20 (+0,18%)
     
  • BTC-USD

    43.427,95
    -986,60 (-2,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.089,51
    -44,88 (-3,96%)
     
  • S&P500

    4.357,73
    -75,26 (-1,70%)
     
  • DOW JONES

    33.970,47
    -614,41 (-1,78%)
     
  • FTSE

    6.986,10
    +82,19 (+1,19%)
     
  • HANG SENG

    24.221,54
    +122,40 (+0,51%)
     
  • NIKKEI

    29.839,71
    -660,34 (-2,17%)
     
  • NASDAQ

    15.124,25
    +114,75 (+0,76%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2466
    +0,0019 (+0,03%)
     

Criticado por luta de Maria Portela, juiz mexicano deu curso de arbitragem para judocas brasileiros

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Criticado por decisão polêmica durante a luta que eliminou a brasileira Maria Portela das Olimpíadas, o juiz mexicano Everardo García ministrou em dezembro do ano passado um curso de arbitragem para judocas brasileiros a convite da CBJ (Confederação Brasileira de Judô).

Mais cedo, Portela foi derrotada na luta mais longa dos Jogos de Tóquio, de 14 minutos e 58 segundos, por cometer três advertências diante da russa Madina Taimazova. A eliminação provocou indignação de torcedores e de parte da comunidade do judô que criticaram a arbitragem do mexicano por não pontuar uma queda a favor da brasileira durante o ponto de ouro.

No ano passado, a CBJ afirmou em nota que trouxe Everardo García para o Brasil com o objetivo de auxiliar atletas na preparação para Tóquio-2020. À época, a confederação disse que o saldo foi "bastante positivo".

"O estudo da regra do judô, em constante atualização, também faz parte da preparação do atleta de alto rendimento. Foi com essa mentalidade que a seleção brasileira de judô recebeu, na concentração, em Pindamonhangaba, o árbitro mexicano Everardo García", diz trecho de nota publicada no site da CBJ.

Na atividade com a presença do mexicano, os atletas avaliaram situações de luta em enquetes virtuais, como se estivessem arbitrando lutas. Em seguida, foram exibidos gráficos com as respostas dos judocas e, por fim, o árbitro convidado interpretou os lances, esclarecendo dúvidas em relação à regra.

"Ele deu informações importantes, principalmente, no tocante ao shido [punição], ao ataque falho, ataque falso, saída de área, de que maneira a atleta pode ter uma estratégia melhor no momento decisivo das lutas", avaliou à época o técnico Mario Tsutsui ao site da confederação.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos