Mercado fechará em 5 h 32 min
  • BOVESPA

    98.586,98
    -366,92 (-0,37%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.206,54
    +463,39 (+0,97%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,29
    +1,86 (+1,72%)
     
  • OURO

    1.809,20
    +7,70 (+0,43%)
     
  • BTC-USD

    19.574,99
    +537,06 (+2,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    423,95
    +3,81 (+0,91%)
     
  • S&P500

    3.825,33
    +39,95 (+1,06%)
     
  • DOW JONES

    31.097,26
    +321,86 (+1,05%)
     
  • FTSE

    7.242,79
    +74,14 (+1,03%)
     
  • HANG SENG

    21.830,35
    -29,44 (-0,13%)
     
  • NIKKEI

    26.153,81
    +218,19 (+0,84%)
     
  • NASDAQ

    11.537,50
    -73,75 (-0,64%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5553
    -0,0034 (-0,06%)
     

Criticado até por bolsonarista, salário mínimo de R$ 1.212 é aprovado no Congresso

*Arquivo* SÃO PAULO, SP, 16.05.2022 - Fila no mutirão do emprego para 6.000 vagas em SP. (Foto: Danilo Verpa/Folhapress)
*Arquivo* SÃO PAULO, SP, 16.05.2022 - Fila no mutirão do emprego para 6.000 vagas em SP. (Foto: Danilo Verpa/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O Senado aprovou nesta quinta-feira (26) a medida provisória que estabelece o valor de R$ 1.212 por mês para o salário mínimo, que já está em vigor desde 1º de janeiro. O valor do piso no ano passado foi de R$ 1.100.

A sessão de aprovação foi marcada por um desabafo da relatora da proposta, a senadora bolsonarista Soraya Thronicke (União Brasil - MS), que afirmou que seu texto defendendo o valor proposto pelo governo era uma "mentira" e uma "ilusão para o povo brasileiro". A parlamentar, no entanto, recusou as emendas propostas para alterar o valor.

A proposta foi aprovada de maneira simbólica pelos senadores. Como já havia tramitado pela Câmara dos Deputados, segue agora para a promulgação.

O valor do salário mínimo já está em vigor desde o primeiro dia do ano, quando o presidente Jair Bolsonaro (PL) editou a medida provisória. A proposta, no entanto, precisava ser confirmada pelo Congresso Nacional.

Os valores do salário mínimo por dia e por hora passam a ser, respectivamente, de R$ 40,40 e R$ 5,51.

Durante a apresentação de seu relatório, Soraya Thronicke leu o trecho da Constituição sobre o salário mínimo, que deveria atender as necessidades básicas com moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene, transporte e previdência social, com os reajustes para preservar seu poder aquisitivo.

"E aí é muito lindo no papel. Por isso, mais uma vez, eu estou constrangida, porque é tão bonita [a Constituição] e esse salário mínimo que temos que aprovar não assegura nada disso. Portanto, é uma falácia, não é nada disso. O que eu estou lendo aqui é uma verdadeira mentira, uma ilusão para o povo brasileiro", afirmou a senadora.

No entanto, havia duas emendas para aumentar o valor do salário mínimo. O senador Jorge Kajuru (Podemos-GO) para R$ 1,3 mil, enquanto Rogério Carvalho (PT-SE) propôs o valor de R$ 1.227. Soraya Thronicke recusou as duas emendas.

Ao justificar a recusa, a senadora bolsonarista argumentou que cada R$ 1 de aumento do valor do salário mínimo implica em quase R$ 365 milhões de impacto no Orçamento anual, somente com benefícios previdenciários e assistenciais.

"O salário mínimo, quando aumenta um real, o impacto é tão grande para quem paga e para o Estado, e de verdade não chega líquido no bolso do brasileiro. Não é somente a questão do salário mínimo, do valor dele. É triste chegar com esse discurso técnico, cheio de siglas e não ter nada de concreto, de bom para entregar para a população brasileira", disse.

Cid Gomes (PDT-CE) registrou voto contrário à medida e afirmou que "jamais aceitaria a relatoria de uma matéria como essa".

Soraya Thronicke também criticou, sem citar o presidente Jair Bolsonaro ou qualquer outro ator político, o que chamou como "cortina de fumaça" para desviar o foco de problemas reais. Disse que pessoas se distraem com "bobagens" com "problemas que não vão colocar alimentos na mesa dos brasileiros".

Criticou o aumento da inflação e apontou que não há motivos reais que justificam o Brasil ter o terceiro maior índice, entre os países analisados pela OCDE. Também apontou que o valor da cesta básica era de R$ 482 em 2019 e neste ano está em R$ 715.

O presidente do Senado Rodrigo Pacheco (PSD-MG) também aproveitou a oportunidade para criticar a situação econômica do Brasil e apontar que há "problemas criados com objetivos eleitorais e oportunistas".

"Eu gostaria de destacar a sua lucidez, a consistência desse seu pronunciamento nesse momento, corajoso até, de apontar a dicotomia verdadeira que existe no Brasil hoje entre os problemas reais e os problemas criados com objetivo eleitoral e oportunista", afirmou Pacheco.

"Então temos os problemas reais no Brasil, que são os problemas dos dois dígitos: os dois dígitos da inflação, dos juros, do desemprego, os dois dígitos do preço da gasolina, em alguns lugares já está a R$ 10 no Brasil. Portanto, esses são problemas reais, que se resolvem com soluções verdadeiras, propositivas."

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos